Mina Guaíba deverá gerar quase 5 mil empregos na região

Previsão é que o empreendimento da Copelmi, localizado entre Charqueadas e Eldorado do Sul, esteja operando dentro de três anos e meio

Por Portal de Notícias 20/02/2019 - 13:38 hs
Foto: Marcos Essvein
Mina Guaíba deverá gerar quase 5 mil empregos na região
Cristiano Weber apresentou o projeto em audiência na Câmara de Vereadores de Charqueadas

Marcos Essvein

Na manhã desta quarta-feira (20), atendendo convite do Legislativo de Charqueadas, a Copelmi Mineração apresentou o Projeto Mina Guaíba, que está em fase de licenciamento ambiental junto à Fepam. O empreendimento foi apresentado pelo assessor ambiental da Copelmi, Cristiano Weber.

O projeto prevê extração de carvão, cascalho e areia e, se licenciado, será a maior mina de carvão do Brasil, gerando emprego, renda, desenvolvimento e oportunidades para a região.
De acordo com Weber, um grupo de 92 técnicos trabalha na elaboração do projeto e estudos de impacto ambiental da implantação da mina, localizada a cerca de um quilômetro da BR-290, no limite entre os municípios de Charqueadas e Eldorado do Sul.
- O empreendimento não gera passivo ambiental – garantiu Weber ao falar sobre o tratamento de efluentes em circuito fechado, que não tem barragem de rejeitos e utilizará um sistema de filtros, reaproveitando os resíduos na própria cava. Além disso, a área minerada será recuperada juntamente com a mineração, ficando disponível para outros usos.
Após a obtenção da Licença de Operação, o que deve ocorrer em um prazo estimado de três anos e meio, a mina a céu aberto deverá operar durante trinta anos e minerar 8,1 milhões de toneladas de carvão/ano. O carvão está a cerca de 40 metros de profundidades, coberto por uma camada de cascalho e a areia, que também serão comercializados.
Uma audiência pública está marcada para o dia 14 de março, em Charqueadas. Este é um dos quesitos para a obtenção das licenças.
Weber destacou a importância da união de forças da região para a implantação do projeto, que trará inúmeros benefícios, principalmente nas áreas de desenvolvimento, emprego e renda.
- Precisamos que vocês tenham o mesmo brilho no olho que nós temos em relação a este projeto – disse a vereadores e demais lideranças presentes ao encontro.

Leia também:

Polo Carboquímico pode atrair 4,4 bilhões de dólares em investimento

Polo Carboquímico dará novo aproveitamento ao carvão mineral
Assembleia aprova criação do Polo Carboquímico

Com implantação do Polo Carboquímico, RS cria empregos e reduz importação de produtos gerados a partir do mineral

Regulamentada a lei que cria política do carvão e polo carboquímico

COM VÍDEO | Polo Carboquímico é apresentado a prefeitos do Baixo Jacuí e Campanha


A estimativa e que o empreendimento gere arrecada aproximadamente R$ 23 milhões por ano somente de Imposto Sobre Serviços (ISS) com o beneficiamento do mineral. Este imposto deverá ir para o município de Eldorado do Sul, onde será implantada a indústria de beneficiamento. Outro imposto a ser pago pela Copelmi é o CEFEM, que representa 2% do faturamento.


DESENVOLVIMENTO, EMPREGO E RENDA

O projeto contribuirá para o desenvolvimento de toda a Região, gerando renda, empregos e oportunidades para diversos setores da economia. Durante o período de construção da mina, ao longo dos três anos da obra, serão ofertados 331 empregos diretos e 83 empregos indiretos. Nesta fase, os empregos serão temporários. A mina terá uma duração de 30 anos e, neste período, serão gerados, aproximadamente, 1.150 empregos diretos e 3.360 empregos indiretos. A utilização de mão de obra da região é uma das condições para a obtenção de incentivos fiscais, o que garante o emprego dos trabalhadores dos municípios da área do empreendimento.

Com o licenciamento e operação da mina, a expectativa é que se confirme a instalação do Polo Carboquímico do Baixo Jacuí, que deverá gerar cerca de mais 5 mil empregos.


O PROJETO MINA GUAÍBA


O Projeto Mina Guaíba é um projeto de mineração de carvão mineral, areia e cascalho, localizado nos municípios de Eldorado do Sul e Charqueadas que, atualmente, está em processo de licenciamento junto ao órgão ambiental, a Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler (FEPAM).

O projeto visa beneficiar a economia gaúcha, visto que hoje o Rio Grande do Sul tem forte dependência da importação de energia gerada em outras regiões do país, fato que interfere diretamente no desenvolvimento econômico, social e tecnológico do estado.
Para as comunidades que se localizam em áreas de futura mineração, serão concebidos Planos de Reassentamento. As ações serão desenvolvidas por processos participativos com envolvimento direto das pessoas assessoradas e assistidas de maneira que possam se sentir em plenas condições de justa negociação para mudanças.
Os planos de reassentamento serão criados visando atender tanto as questões de moradia, atividades produtivas, bem como acesso a serviços e equipamentos públicos e comunitários.

RELEVÂNCIA

A Mina Guaíba dispõe de uma expressiva reserva de carvão mineral que pode ser utilizada tanto na geração de energia, vital para o setor industrial, como na sua transformação em gás de síntese e fertilizantes.

PERSPECTIVAS PARA O FUTURO


A implantação do Projeto Mina Guaíba é estratégico para a economia gaúcha, visto que o Rio Grande do Sul tem forte dependência da importação de energia elétrica, bem como gás natural. O projeto vem para fomentar o desenvolvimento econômico, social e tecnológico do estado, permitindo assim a atração de novos projetos de uso moderno e sustentável do carvão, como é o caso de indústrias carboquímicas e usinas termelétricas com tecnologia de ponta, além de contribuir para a geração de renda, empregos e oportunidades para diversos setores da economia.

Com informações da Copelmi