Gerdau adota medidas de prevenção contra coronavírus

Sindicato dos Metalúrgicos demonstra preocupação com o risco de contágio pela manutenção das atividades na indústria

Por Portal de Notícias 23/03/2020 - 10:54 hs
Foto: Banco de Imagens
Gerdau adota medidas de prevenção contra coronavírus
Gerdau adota medidas de prevenção contra coronavírus

O risco de contaminação pelo coronavírus levou os governos federal, estadual e municipais a adotaram medidas par restringir o funcionamento de estabelecimentos comerciais e industriais no Rio Grande do Sul. Na região Carbonífera, a maioria dos municípios determinou o funcionamento apenas dos setores essenciais, como estabeleceu um decreto editado pela Prefeitura de Charquedas.
O decreto, porém, não abrange as grandes indústrias da cidade, que mantém as atividades. Uma destas empresas é a Gerdau e isso preocupa o Sindicato dos Metalúrgicos. De acordo com representantes do Sindicato, caso ocorra contágio dos trabalhadores da Gerdau, isso poderá representar a contaminação de centenas de pessoas na cidade.
- O pequeno empresário, que trabalha de dia para comer de noite, teve que parar. As multinacionais que têm condições de manter seus trabalhadores por meses, não param. Estas empresas não são vitais para o momento, pois são fabricantes de aço e peças, produtos que não são essenciais neste momento – diz Marcio Rosa, do Sindicato dos Metalúrgicos.
--------------------
LEIA TAMBÉM
Governo edita MP que permite suspensão do contrato de trabalho por quatro meses
Confirmado primeiro caso de coronavírus na Carbonífera, em Charqueadas
Coronavírus: Prefeitura de Charqueadas determina fechamento do comércio e serviços
--------------------
Por meio de nota, a Gerdau informou instalou um Comitê de Crise e está tomando medidas para prevenir o contágio pelo coronavírus entre os trabalhadores. “A Gerdau informa que está seguindo todas as orientações de prevenção ao coronavírus (Covid-19) divulgadas pelos órgãos de saúde competentes nos países em que opera. Neste sentido, a empresa, por meio de seu Comitê de Crise, adotou uma série de medidas para mitigar o risco de transmissão nos locais de trabalho. O mesmo ocorre na planta de Charqueadas (RS), onde uma série de iniciativas foram implementadas a fim de preservar a saúde e segurança dos colaboradores e funcionários terceirizados. A Gerdau reitera que a saúde e segurança de seus colaboradores e familiares, comunidades e parceiros são valores inegociáveis para a empresa”, diz a nota (leia na íntegra no final da matéria).

EMPRESAS SUSPENDEM ATIVIDADES

Na busca de contribuir com o combate à proliferação do Covid-19, diversas empresas da região Sul têm alterado processos e rotinas. Nos últimos dias, funcionários têm sido liberados da rotina presencial e aderido ao home office, ou, em outros casos, adiantado o período de férias.
A Marcopolo e as Empresas Randon, por exemplo, ressaltaram o compromisso de reduzir a necessidade de deslocamento e convívio de profissionais no mesmo ambiente de trabalho.
“Entendem que o momento é de cuidado e comprometimento para preservar a saúde e o bem-estar de seus colaboradores, familiares e das comunidades em que estão presentes, assim como de demonstrar o seu compromisso com a manutenção e a sustentabilidade da economia local e global”, afirmaram em nota. A Fras-le, uma das empresas da Randon, concederá férias seletivas. A Tramontina também suspendeu as atividades.
A catarinense Tupy irá conceder dez dias de férias coletivas, colaborando com os esforços promovidos pelos governos federal, estadual e municipal para evitar a propagação da doença. “A cooperação e a solidariedade têm que direcionar a nossa atuação para que possamos atravessar este momento de crise mundial com o menor impacto possível para as pessoas”, afirma Fernando Cestari de Rizzo, CEO da Tupy, em nota. Fabricantes de calçados do Rio Grande do Sul também estudam dar férias para funcionários.

TELETRABALHO

O procurador do Trabalho, Paulo Douglas, afirma que o teletrabalho já vem surgindo como uma tendência, não só no Brasil, mas no mundo. O coronavírus seria apenas um fato novo para acelerar esse processo.
- Mas, como toda inovação no mundo do trabalho e nas relações trabalhistas, ele vem acompanhado de fatores positivos e, também, de fatores negativos. Se bem implementado, é amplamente vantajoso para as duas partes. Você consegue conciliar uma qualidade de vida melhor para o trabalhador e existe a possibilidade, inclusive, de ganhos de produtividade - explica.
Do ponto de vista de saúde pública, o procurador disse que a menor circulação ou menor concentração de pessoas nos ambientes laborais tendem a contribuir para uma redução na velocidade do contágio do vírus. Por isso, ele avalia como bastante oportuna e adequada a adoção do trabalho à distância pelas empresas.
A advogada trabalhista Gisela Freire destacou que muitas pessoas confundem home office com trabalho remoto. Para a lei, tratam-se de coisas diferentes. Ela esclareceu que trabalho remoto, ou teletrabalho, é previsto em lei e o empregado já fica, preponderantemente, na casa dele trabalhando. É uma prática prevista em contrato de trabalho. Já o home-office, decorrente da epidemia do Covid-19, é uma situação eventual.
- O empregado continua a colocar o trabalho dele no estabelecimento da empresa, mas, em situações excepcionais, como essa, por exemplo, ele pode trabalhar de casa - argumenta Gisele. Ou seja, o empregado pode trabalhar de qualquer lugar, mas o local de trabalho dele contratual é o estabelecimento do empregador.

NOTA DA GERDAU

“A Gerdau informa que está seguindo todas as orientações de prevenção ao coronavírus (Covid-19) divulgadas pelos órgãos de saúde competentes nos países em que opera. Neste sentido, a empresa, por meio de seu Comitê de Crise, adotou uma série de medidas para mitigar o risco de transmissão nos locais de trabalho. O mesmo ocorre na planta de Charqueadas (RS), onde uma série de iniciativas foram implementadas a fim de preservar a saúde e segurança dos colaboradores e funcionários terceirizados:
* Recomendação de regime de home office ou afastamento para pessoas que fazem parte do grupo de risco (acima de 60 anos, com doenças pré-existentes ou crônicas, grávidas e lactantes);
* Quarentena de 14 dias para quem apresentar sintomas;
* Intensificação da higienização, especialmente em áreas comuns como refeitórios, copa, estações de trabalho, ônibus, entre outras;
* Cancelamento de visitas à unidade, viagens, eventos e treinamentos (não críticos), bem como reuniões presenciais com grande número de colaboradores;
* Implementação do monitoramento da temperatura e verificação de demais manifestações do COVID-19 em todos os acessos à planta, incluindo colaboradores, terceiros e motoristas;
* Orientação de colaboradores que retornam de férias, ausência e afastamento a conversarem previamente com seus líderes e seguirem medidas preventivas;
* Reforço das comunicações sobre cuidados e ações que devem ser adotadas no dia a dia para evitar a propagação do vírus;
* Divulgação do canal de atendimento virtual do Hospital Albert Einstein, para que colaboradores e seus familiares evitem a exposição desnecessária em prontos-socorros e hospitais;
* Reforço na divulgação do canal de apoio psicológico do Programa + Cuidado, de forma a proteger a saúde mental das pessoas.
A Gerdau reitera que a saúde e segurança de seus colaboradores e familiares, comunidades e parceiros são valores inegociáveis para a empresa”.


Com informações da Agência Brasil e Revista Amanhã