Lasier pede socorro a ministro para evitar colapso da Barragem de Amarópolis

Metade das 44 comportas da barragem estão danificadas, baixando o nível da água e prejudicando pescadores, mineradoras e agricultores

Por Portal de Notícias 23/05/2019 - 18:10 hs
Foto: Divulgação
Lasier pede socorro a ministro para evitar colapso da Barragem de Amarópolis
Ministro recebeu comitiva gaúcha

O senador Lasier Martins (Pode-RS) liderou a comitiva gaúcha de políticos e representantes de entidades empresariais que se reuniu na manhã desta quinta-feira (23) com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, para pedir ao governo reparos urgentes na barragem fluvial de Amarópolis, em General Câmara, eu está ameaçada de colapso.
Os presentes argumentam que a eclusa no Rio Jacuí, sem manutenções ao longo dos seus 40 anos, carece há cinco anos de investimento mínimo estimado em R$ 8 milhões para operar na normalidade e não ruir.
- Contamos com a competência e a sensibilidade do ministro para enfrentar esse drama - afirmou Lasier.
Metade das 44 comportas da barragem, na vila histórica de Santo Amaro do Sul, em General Câmara, estão danificadas, baixando o nível da água e prejudicando pescadores, mineradoras e agricultores.
- Se a queda de alças de vazão da barragem continuar, haverá o caos no transporte no estado, pois volumes de cargas equivalentes a 80 mil carretas por mês serão transferidas às rodovias - sublinhou Fernando Machado, diretor do Sindicato da Mineração de Brita, Areia e Saibro (Sindibritas).


Após ouvir o pleito, o ministro disse que reconhece “quadro de calamidade” nas eclusas e que trabalhará para buscar soluções no menor prazo possível. Mas ressaltou que a penúria fiscal sofrida pela União, com ampla limitação orçamentária, impede a liberação de recursos não previstos para este ano. Ele prometeu remanejar verbas de manutenção de emergência tão logo seja obtido laudo sobre as intervenções requeridas em Amarópolis. Para isso, o Ministério firmou parceria com o Departamento de Engenharia do Exército americano especializado em eclusas para enviar seis técnicos.
Situação semelhante se repete em outras três barragens no estado: Bom Retiro do Sul, no Rio Taquari, e Anel de Dom Marco e Fandango, no Rio Jacuí. Para a restauração das quatro barragens, será preciso R$ 110 milhões. O senador ressaltou também a situação de completo abandono do Porto de Estrela, no Rio Taquari.
O prefeito de Vale Verde, Carlos Gustavo Schuch, acrescentou que as falhas na barragem já são sentidas na economia da cidade dependente do campo e reserva outros riscos para a atividade do turismo.
Além da falta de verbas para conservação de um patrimônio estimado em mais R$ 1,5 bilhão, os representantes das empresas de transporte fluvial também criticam o excesso de burocracia e os problemas de gestão.
- É lamentável que tenhamos de esperar até duas semanas por um conserto simples ou uma lubrificação de engrenagem - disse Sandro Alex de Almeida, diretor do Sindibritas.
O Rio Grande do Sul tem 800 quilômetros de hidrovias nas bacias dos rios Jacuí e Taquari, que levam milhões de toneladas de commodities agrícolas e minerais, como arroz e carvão, para o Porto de Rio Grande e para a região metropolitana de Porto Alegre.