JOÃO ADOLFO GUERREIRO | Sobre gatos

Tu podes educar muito bem o bichano, entretanto, para deseducá-lo, bastará uma única vez

JOÃO ADOLFO GUERREIRO | Sobre gatos
Quer aditivar a educação de uma criança? Dê-lhe um gato

Sobre gatos é o título de um livro póstumo do escritor estadunidense Charles Bukowski (1920 - 1994), lançado em 2015, onde seu biógrafo, Abel Debritto, reuniu textos inéditos do autor ou sobre os bichanos ou onde eles aparecem como personagens. Não escreverei sobre o livro aqui, apenas copio o título como homenagem e para, igualmente, falar de gatos, nele inspirado. Não falarei dos meus gatos, mas sim sobre um viés da utilidade desses pequenos felinos domésticos, ou seja, o aprendizado para a vida que eles nos possibilitam, baseando-se, para tal, estritamente na minha experiência.

Quer aditivar a educação de uma criança? Dê-lhe um gato. Claro, ela deverá ter empatia com bichos e, especificamente, com gatos. Famílias que os criam, geralmente, produzem filhos gateiros. Foi assim comigo. Sempre tivemos gatos e cachorros lá em casa, nasci vendo-os pela volta e afeiçoei-me mais aos felinos. Eles são tão afetuosos quanto e mais independentes do que os cães. Mas não farei um texto abrangente, só pretendo responder a pergunta acima.

Basicamente, se tu respeitas e cuidas de um gato, estarás treinado para respeitar e cuidar de qualquer pessoa. Se acontecer de tu pegares um gatinho muito novo, por exemplo, com dias de vida devido à morte ou desaparecimento da mãe, terás de dar mamadeira para ele. Isso exigirá o compromisso com horários, cuidado no preparo da alimentação especial para o bebê felino e zelo e capricho para com sua caminha, visto que esse alimento todo será reprocessado e voltará à luz do dia, não é mesmo. Uma criança que ajude ou dê conta disso, mas bah, já estará treinando para responsabilidades maiores quando na vida adulta.

E, da mesma forma, com o gatinho ainda pequeno, tu tens de lhe dar comida específica no mínimo três vezes por dia, pois gatos, ao contrário dos cães, comem porções espaçadas ao longo do dia e, via de regra, refugam ração "ventada", hábito que manterá na vida adulta. E toda essa disciplina com a alimentação do animal é outra maneira de a criança ir se acostumando com as demandas referentes ao outro.

Como gatos, escrevi acima, são afetuosos e independentes, são fáceis de disciplinar. Um gato bem alimentado, nos locais e nas horas certas, não se tornará um ser inoportuno e mião, subindo na mesa e incomodando ao pedir comida quando estiveres fazendo as tuas refeições. Isso eu garanto: dê sempre comida nos horários e locais certos e ele nunca vai te encher o saco. Só fará isso se tu esqueceres das refeições dele. E são muito bons nisso, ficarão na tua volta miando. Por outro lado, como são independentes e caprichosos, nunca farão suas necessidades dentro de casa ou perto de onde comem, desde que haja como eles saírem e entrarem da casa quando quiserem. Ou, mesmo dentro de casa, usarão apenas a caixinha de areia como sanitário.

Um detalhe importante: tu educas muito bem o bichano, entretanto, para deseducá-lo, bastará uma única vez. Nunca invente de dar algo para ele quando estiveres à mesa, durante as refeições. Deu, arrumou um problema para ti, para sempre. É uma regra de ouro essa: não dê e não deixe ninguém dar, na tua casa, comida para o gato durante as refeições. Nunca! Bastará uma vez para que o gato se desvirtue para sempre do bom caminho, eh eh eh eh. E tal vale para outros aspectos, como dar limites ao bichinho: eles entendem perfeitamente o que lhes é proibido, sem que tu tenhas de bater neles. Tu simplesmente o repreendes e ele aprende depressa os interditos. Sem falar nos cuidados veterinários que o felino vai precisar, vez ou outra, o que mostrará para a criança envolvida na criação como se procede em tais casos. Educar um gato é, assim, uma boa prática de como educar uma pessoa. E tem também a parte da convivência.

Se tu respeitas o espaço do gato, respeitarás o espaço de qualquer pessoa, pois isso se tornará uma conduta, não um temor. Exemplo: você chega em casa e está o gato ali deitado sobre uma cadeira. Não o tire de lá, pegue outra para sentar. Se assim procederes e passares isso para teu filho, será um baita ensinamento, pois o respeito ao espaço do outro se ensina em casa, principalmente respeitando-se os animais domésticos, esses seres totalmente à mercê de nosso arbítrio. E isso vale para várias situações: Ele está dormindo? Respeita. Ele não quer colo naquele momento? Respeita. E assim por diante.

E era isso. Poderia escrever mais, mas minhas gatas estão na volta, requerendo minha atenção. Como eu disse, bichanos são muito bons nisso.