Leite decide cortar ponto de professores em greve do Magistério, mas admite negociação

Governador assinou circular e disse que não dá para aceitar paralisação "sem justificativa no fim do ano letivo"

Por Portal de Notícias 22/11/2019 - 19:11 hs
Foto: Felipe Dalla Valle / Palácio Piratini
Leite decide cortar ponto de professores em greve do Magistério, mas admite negociação
Eduardo Leite anunciou corte do ponto dos grevistas

O governador Eduardo Leite anunciou na tarde desta sexta-feira (22/11) que admite negociar a compensação dos dias parados apenas desta semana na greve do Magistério, mas acrescentou que dia paralisado será dia descontado. A partir de segunda, destacou que não haverá mais negociação. Desde o dia 18 de novembro, professores paralisaram as atividades em diversas escolas do Rio Grande do Sul em manifestação contra o pacote de medidadas anunciadas pelo Piratini. Uma circular foi assinada pelo chefe do Executivo gaúcho e repassada aos demais secretários de Estado.
- O Estado admite fazer negociação de compensação dos dias parados ao longo desta semana da greve. Vamos descontar os dias parados e admite fazer a negociação. Mas, a partir de segunda-feira, estaremos descontando e não vamos mais fazer negociação. O governo está aberto ao dialogo, mas não dá para aceitar que essa greve ocorra sem justificativa, por conta da prestação de um serviço que é essencial, em fim de ano letivo, para a população - salientou o tucano.
O quinto dia de suspensão das atividades nas escolas encerrou com adesão de 1.514 instituições, segundo o Cpers. A Secretaria de Educação diverge e informa que existem 542 escolas com paralisação total e 500 fechadas parcialmente.
No início da semana, a presidente do Cpers, Helenir Schürer, havia respondido a supostas críticas do governo de que o sindicato não teria contribuído dando sugestões ao pacote.
- É como pedir para o enforcado contribuir para o enforcamento. É surreal - afirmara.
A próxima assembleia geral do Cpers ocorre na próxima terça-feira (26/11), a partir das 13h30min, na Praça da Matriz. Antes disso, o comando de greve volta a se reunir para realizar o balanço da primeira semana de paralisações e discutir as ações de mobilização.


CALENDÁRIO UNIFICADO

Na quarta, o governo do Estado anunciou uma parceria para unificar os calendários estadual e municipal já a partir do ano que vem. O ano letivo se iniciará em 9 de fevereiro e será concluído em 18 de dezembro, com o cumprimento dos 200 dias letivos e das 800 horas/aula. Para 2021, o calendário de matrículas, que hoje ocorre em períodos diferentes, também será unificado.

As informações são do Correio do Povo