Selma Duarte: “Nunca é tarde para começar”

Aos 62 anos, merendeira da Apae São Jerônimo conta os dias para iniciar o curso de Pedagogia

Por Portal de Notícias 12/11/2019 - 22:16 hs
Foto: Arquivo Pessoal
Selma Duarte: “Nunca é tarde para começar”
Colegas e alunos prepararam festa surpresa para comemorar a aprovação no vestibular

Carla Miller Trainini


Quem conhece Selma Maria Duarte sabe que alegria, iniciativa e vontade de viver fazem parte da sua personalidade. Tomada pela empatia, é querida por todos com quem convive e, agora, depois de muitos anos fora da escola, ela mostra que idade é apenas um número e que não existe limite quando o sonho é estudar.
Natural de Rio Pardo, jeronimense de coração desde 1960 e prestes a completar 63 anos de idade, Selma decidiu cursar o Ensino Superior e a escolha foi Pedagogia. Prestou vestibular na Ulbra São Jerônimo e agora aguarda ansiosamente pelo início das aulas, que será em fevereiro do ano que vem.
Funcionária pública municipal, Selma é merendeira há 11 anos na Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de São Jerônimo. Ela foi recebida com festa surpresa preparada pelos alunos e a família quando saiu o resultado de sua aprovação.
Questionada sobre começar do zero na sua idade e se está com medo de encarar o desafio, ela responde de imediato:
- Não tenho medo de desafios, gosto de estudar e estou contando os dias para iniciar esse curso que sempre foi um sonho que agora está pertinho de se tornar realidade. Quero que as pessoas entendam que nunca é tarde para começar – salienta Selma.



Nesta segunda-feira (11/11), quando fez a matrícula, foi recebida pelo diretor do campus, Eltton Zielke, e pelo coordenador do Polo EAD Ulbra São Jerônimo, Jonathas Winck, que entregaram uma camiseta da Universidade como presente de boas-vindas à nova aluna.


UM ANJO NA VIDA


Selma residiu durante muitos anos na localidade da Carvoeira, no interior do município, e chegou a dar aula, inclusive para crianças da primeira à quarta série do Ensino Fundamental e não sabe mensurar quantas destas ensinou a ler. Além disso, seus filhos contam que ela nunca permitiu que eles desistissem dos estudos. No entanto, os anos foram passando e ela acabou deixando seu sonho em segundo plano por falta de condições financeiras. A situação piorou depois que ficou viúva, há 18 anos, quando repentinamente se viu sozinha para cuidar dos três filhos. Porém, o sonho nunca foi esquecido, até que um “anjo” surgiu em sua vida.
- Certo dia ela me convidou para passear. Entramos no carro e estacionamos em frente ao cemitério. Jamais imaginei o que poderia ser, porque a Ulbra fica do outro lado da rua e eu não tinha me dado conta disso. Então perguntei o que a gente estava fazendo naquele lugar e ela apontou para o portão do campus e disse: “te trouxe para te inscrever no vestibular” – relata Selma sobre a cena que protagonizou junto à Ana da Cunha Lopes, presidente da Apae São Jerônimo, a quem se refere como “um anjo em minha vida, minha madrinha nos estudos”.

VESTIBULAR PARA PEDAGOGIA

Atualmente apenas uma das filhas de Selma está na faculdade. Em breve, o neto também prestará vestibular. No entanto, o plano é que todos consigam cursar o Ensino Superior, assim como ela.
O dia da prova - os filhos contam - foi de muito nervosismo na família. No entanto, Selma relata que foi tudo tranquilo, já que precisou fazer apenas uma redação e ela garante: “faltou papel para escrever mais”.
- Quando eu li os dois temas propostos e vi que um deles era falar sobre o planeta Marte, pensei: “me dei bem”, porque eu gosto de astronomia, estou sempre lendo sobre isso. Foi bem fácil, não escrevi mais por falta de espaço – brincou Selma.

PRÓXIMOS PLANOS

A previsão de formatura é em quatro anos e se tudo der certo, Selma quer continuar trabalhando na Apae, tanto como merendeira, quanto como pedagoga. Ana garante que irá fiscalizar de perto seu comprometimento com a nova atividade, que já possui estágio obrigatório garantido, mesmo antes de começar os estudos.
- Desde que conheci a Selminha, ela sempre teve esse sonho de cursar Pedagogia. Eu questionava os motivos de ainda não estar estudando e ela só me respondia que não tinha condições financeiras. Mesmo assim, nunca permiti que ela desistisse de alcançar esse objetivo. Selminha é uma funcionária muito dedicada e querida por todos os alunos da Apae. Ela gosta de estar aqui, já tem tempo para se aposentar, mas não quer, prefere seguir trabalhando. Mas já deixei bem claro que ela pode até dormir na Apae se quiser, mas seus horários de estudos serão respeitados – finalizou Ana.

O QUE DISSERAM


“Se for para definir nossa mãe com palavras, nós poderíamos chamá-la de guerreira e batalhadora, entre tantas outras qualidades de quem possui um coração enorme e que sempre nos educou e ensinou a não desistir dos nossos sonhos. Estamos muito orgulhosos com essa realização da nossa mãe, que nunca nos deixou faltar nada e que agora está correndo atrás dos seus objetivos”.
Filhos, nora e neto sobre como enxergam Selma e o que pensam em relação à escolha de se tornar acadêmica


“Sempre gostei muito de aprender e ensinar o que aprendia. Agora dei mais um passo que é o de transformar esse sonho de ser pedagoga em realidade. Faço 63 anos em dezembro e nunca sequer tinha feito vestibular antes. Quando vim embora para a cidade é que voltei a estudar. Fiz o Ensino Médio pelo EJA (Educação de Jovens Adultos) e concluí em um ano e dois meses quando eu já era até avó. Estudei com duas filhas no Ensino Médio, e quando eu estava concluindo o Ensino Fundamental, meu filho estava iniciando. Além disso, hoje trabalho com meu neto. Sou merendeira da Apae e ele é estagiário. Quero que as pessoas entendam que nunca é tarde para recomeçar e pedir que não desistam de seus sonhos. As oportunidades existem, basta apenas um pouco de coragem e não desperdiçar as oportunidades”.
Selma Maria Duarte, sobre nunca ter desistido do sonho de cursar Pedagogia e ter se tornado acadêmica na Ulbra São Jerônimo, aos 63 anos