Assinado Termo de Cooperação do Projeto do Parque Hidroviário de General Câmara

Iniciativa pioneira no Estado conta com o apoio técnico da Associação Hidrovia RS

Por Portal de Notícias 21/10/2019 - 15:22 hs
Foto: Marcos Essvein
Assinado Termo de Cooperação do Projeto do Parque Hidroviário de General Câmara
Assinatura ocorreu na manhã desta segunda-feira na Câmara de Vereadores

Marcos Essvein

Na manhã desta segunda-feira (21/10), no plenário da Câmara Vereadores, foi assinado o Termo de Cooperação do Projeto do Parque Hidroviário do Município de General Câmara, celebrado entre a Prefeitura Municipal, a Associação Hidrovia RS, a empresa Synthesis e a empresa Arquitetura SS.
A partir da assinatura do Termo, que é pioneiro no Rio Grande do Sul, será elaborado um projeto para utilização não só da hidrovia composta pelos Rios Taquari e Jacuí, mas também da malha rodoviária e ferroviária, visando a criação de um porto multimodal no município. A expectativa é que até maio de 2020 o projeto esteja concluído e, então, seja possível atrair empreendimentos para o Parque Hidroviário, que já tem duas empresas interessadas. O projeto contempla não só o setor logístico, mas também um parque industrial, turismo e até mesmo esportes.
De acordo com o diretor-presidente da Associação Hidrovia RS, Willen Manteli, o Município de General Câmara está demonstrando uma visão futurista para a região.
- A logística é o caminho para o desenvolvimento, geração de riquezas, de empregos e recursos. E a hidrovia é o transporte mais competitivo, mais barato, o que menos agride o meio ambiente e o que menos exige recursos para obras de infraestrutura – disse Manteli.
Ele lamentou que o Rio Grande do Sul e o Brasil tenham virado as costas para as hidrovias. Segundo ele, hoje, 85% do transporte de cargas no estado é feito por rodovias, o que representa um custo de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do RS e 12% no País.
- O propósito da Associação Hidrovia RS é retomar a cultura gaúcha de exploração das hidrovias para alavancar a competitividade dos produtos e dos municípios hidroviários do Rio Grande do Sul. O estado, e especialmente o município de General Câmara, têm localização privilegiada – disse, ao referir-se aos rios Jacuí e Taquari e a facilidade de acesso ao Porto de Rio Grande e, consequentemente, ao restante do país e do mundo.
Francisco Miguel de Almeida Pires, diretor da empresa Synthesis, que será responsável pela elaboração do projeto, disse que o plano será desenvolvido levando em consideração “três principais clientes”: a comunidade; os proprietários dos terrenos onde serão instalados os empreendimentos; e os empreendedores que quiserem investir em General Câmara com a perspectiva de que a conjunção de modais de transporte favoreça o êxito dos seus empreendimentos.
- Vai ser a comunidade quem vai nos orientar no desenvolvimento do projeto e não vamos fazer nada que não atenda aos principais objetivos destes três principais clientes – disse aos destacar que o objetivo é entregar ao Município um projeto equalizado, sem conflitos legais ou com normas ambientais.
Ele revelou, ainda, que o Rio Grande do Sul possui 67 municípios atendidos por hidrovias, entre ele General Câmara, e que o potencial é de chegar a 109 cidades. Ao falar sobre o condomínio industrial, destacou que enquanto Santa Catarina tem 41 projetos, o Rio Grande do Sul tem apenas dois, um no Polo Petroquímico de Triunfo e outro em Gravataí.
Para o prefeito Helton Barreto, o projeto abrirá portas tanto para o desenvolvimento econômico, como para o crescimento de demais atividades como o turismo.
- Muitos municípios à vezes atropelam e começam primeiro trazendo as empresas e depois projetando o crescimento. Nós estamos fazendo o inverso. Há duas empresas interessadas em se instalar no município, mas com o projeto e a intenção dessas duas empresas vamos viabilizar o desenvolvimento da economia do Estado. Com o potencial que nós temos, com rodovia, ferrovia e hidrovia, não tem como não dar certo. É um grande marco para nossa cidade e, com certeza, vai mudar o destino de General Câmara – afirmou Barreto, destacando que o projeto não terá custos para o Município.
Também participaram da solenidade o vice-prefeito, Geraldo Dias; o proprietário do EAEC, Escritório de Arquitetura Consultiva SS, Oscar Escher; o presidente da Câmara de Vereadores, Alessandro Rasquinha, e os vereadores André Zanette, Nando Franken e Selomar; o assessor Jurídico da Prefeitura, Gustavo dos Anjos Baptista; além de representantes das instituições bancárias, Arsenal de Guerra, Ulbra, empresários, agricultores e comunidade em geral.

SAIBA MAIS
Associação Hidrovia RS

Um dos grandes entraves para que os produtos gaúchos sejam competitivos no mercado internacional está na logística. A opção de priorizar rodovias em detrimento dos demais modais acaba por limitar a capacidade de escoamento, gerando onerosos gargalos por todo o Rio Grande do Sul. Por exemplo, o RS utiliza menos de 700 km das águas navegáveis. Esse cenário de estagnação, que impede o desenvolvimento estadual, motivou entidades representativas do setor produtivo a se unirem e criarem a Associação Hidrovias RS, lançada em maio de 2018, na sede da Farsul. O objetivo é fomentar o aproveitamento efetivo das hidrovias, não apenas para o transporte por água, mas também como fator estratégico de atração de novos empreendimentos.
A entidade é formada por representantes da Farsul, Fiergs, Fecomércio, ABTP, Federarroz e empresas que operam os terminais do Porto de Rio Grande e pretende liderar a mobilização para ampliar o volume de cargas escoadas pelas hidrovias dos atuais 7 milhões de toneladas/ano para 12 milhões. O que significa uma redução do frete em cerca de 40%, garantindo competitividade para a produção gaúcha nos mercados nacional, por cabotagem, e internacional, pela rota marítima do sul da África. Formada por entidades empresariais, cooperativas, investidores e empresas de transporte de passageiros e de cargas, a Associação Hidrovias RS busca unificar as propostas do setor empresarial, hoje diluídas entre os vários segmentos da atividade econômica.