BR-290 voltará a ter pedágio no trecho da região Carbonífera

Decreto publicado hoje inclui o trecho de 100 quilômetros entre Eldorado do Sul e Pantano Grande no Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República (PPI)

Por Marcos Essvein 15/08/2019 - 13:07 hs
Foto: Banco de Dados
BR-290 voltará a ter pedágio no trecho da região Carbonífera
Trecho entre Eldorado do Sul e Pantano Grande voltará a ter pedágio

Trechos de rodovias federais do Rio Grande do Sul irão ganhar pedágios. Um decreto publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (15) incluiu oficialmente uma série de estradas no país que passarão a integrar o Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República (PPI) e o Programa Nacional de Desestatização (PND).
Na BR-290, um trecho de 100 quilômetros entre o entroncamento da BR-116, em Eldorado do Sul até a BR-471, em Pantano Grande, foi incluído no Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República (PPI) e ganhará pedágio. Essa é a região onde hoje há contrato em andamento para duplicação da rodovia. A expectativa é que ocorram melhorias das condições de trafegabilidade. O trecho apresenta buraqueira em vários pontos.
No Rio Grande do Sul, serão mais de 500 quilômetros de rodovias que serão repassados para a iniciativa privada. O trecho de cerca de 125 quilômetros entre a ponte do Guaíba, em Porto Alegre, e a RS-350, em Camaquã, também será pedagiado.

LEIA TAMBÉM
Ministro diz que governo avalia conceder BR-290 à iniciativa privada

O maior trecho, porém, envolve aproximadamente 300 quilômetros entre a BR-158, em Panambi, até a BR-392, em Santana da Boa Vista.
Rodovias de Santa Catarina também foram incluídas na relação e duas delas envolverão diretamente os interesses dos gaúchos: BR-470, entre Navegantes e a divisa com o Rio Grande do Sul; e a BR-153, do entroncamento com a BR-282 até a divisa com o estado gaúcho.
A União também confirmou as negociações envolvendo três aeroportos regionais: o de Pelotas, o de Uruguaiana e o de Bagé. Com isso, abre-se a possibilidade para realização de estudos que vão embasar as licitações para contratação das empresas que vão desenvolver os projetos e, posteriormente, a montagem do edital para execução dos próximos leilões.