OPINIÃO | Mina Guaíba: desenvolvimento com equilíbrio ambiental

O Projeto Mina Guaíba significa a conquista do desenvolvimento econômico necessário para nossa região, garantindo a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento social para o presente e gerações futuras

Por Portal de Notícias 04/06/2019 - 12:06 hs
Foto: Banco de Dados
OPINIÃO | Mina Guaíba: desenvolvimento com equilíbrio ambiental
Mina Guaíba será instalada entre Eldorado do Sul e Charqueadas

Guilherme Machado *

O estudo de impacto ambiental do empreendimento Mina Guaíba, que está em análise na Fepam, conclui que o empreendimento é "ambientalmente viável para as condições ambientais e sociais das áreas a serem mineradas, e os impactos ambientais a serem gerados são passíveis de serem mitigados”. Isto é, o estudo indica que através de medidas previamente estabelecidas e colocadas em ação quando houver a extração do carvão, é possível minimizar e reparar as ocorrências que se revelem com capacidade de causar danos ao meio ambiente.
O projeto prevê a criação de 330 empregos na fase de implantação, chegando a 1.200 postos de trabalho diretos na fase de operação (fora os indiretos). Estima-se que nas reservas há 166 milhões de toneladas de carvão, com previsão de que a exploração se mantenha em operação por 23 a 30 anos.
O empreendimento está em processo de obtenção de licença prévia na Fepam. Depois disso, ainda será necessário obter a licença de instalação (que autoriza o início das obras) e de operação (começo da atividade). Salienta-se que o empreendimento não prevê barragem de rejeitos como em Brumadinho.
A Mina Guaíba irá impactar no aumento de arrecadação das prefeituras da região, permitindo aos municípios melhorar a oferta e o acesso a serviços básicos à população, além de impulsionar o crescimento do comércio e outras atividades locais.
Para o Brasil, cuja matriz energética mal consegue atender à demanda atual, ainda é vital que o carvão mineral seja valorizado, uma vez que o país só poderá crescer em ritmo mais acelerado (acima de 6% ao ano, por exemplo) se dispuser de infraestrutura energética farta. A verdade é que nem o Brasil pode se dar ao luxo de dispensar a riqueza do carvão.
O Projeto Mina Guaíba significa a conquista do desenvolvimento econômico necessário para nossa região, garantindo a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento social para o presente e gerações futuras.
Eis que trinta anos após o primeiro anúncio (foram vários) da instalação da Usina Termelétrica Jacuí 1, em Charqueadas, planejada para ser uma usina completa, com capacidade para abastecer toda a Região Metropolitana de Porto Alegre, gerando 360 megawatts/hora e milhares de empregos, e que recebeu (enterrou) mais de meio bilhão de reais de aporte público em obras e equipamentos, mas que nunca gerou um kilowatt sequer porque nunca entrou em operação, estamos recebendo uma nova chance para alavancar o sonhado e merecido desenvolvimento por meio da riqueza que deu nome a nossa região: o carvão mineral.
Temos que enveredar esforços e articulação política para garantir esta conquista, que vai impulsionar o desenvolvimento da região. Não podemos e não temos o direito de desperdiçar mais essa chance!
Em frente, Região Carbonífera/Carboquímica!

(*) Diretor Administrativo da empresa SIGESP, ex-vereador e ex-secretário de Finanças de Butiá