Projeto da Mina Guaíba é apresentado em São Jerônimo

Copelmi explicou o empreendimento e esclareceu questões ambientais e econômicas em audiência pública realizada na Câmara de Vereadores

Por Portal de Notícias 23/04/2019 - 15:06 hs
Foto: Marcos Essvein
Projeto da Mina Guaíba é apresentado em São Jerônimo
Cristiano Weber (D) falou sobre o empreendimento e respondeu perguntas do público presente

Aconteceu na noite de ontem (22), na Câmara de Vereadores de São Jerônimo, uma audiência pública com representante da Copelmi Mineração para apresentar o projeto Mina Guaíba. A audiência foi uma proposição dos vereadores Rodrigo Marcolin (PSDB) e Amaro Jerônimo Vanti de Azevedo (PDT).
Este foi o quarto encontro na região Carbonífera e o gerente de Sustentabilidade Corporativa da Copelmi, Cristiano Weber, falou sobre o projeto da implantação do que poderá ser a maior mina a céu aberto do Brasil. O empreendimento será localizado entre os municípios de Eldorado do Sul e Charqueadas e vai extrair carvão mineral para a oferta de energia com responsabilidade socioambiental.
Segundo Weber, a Mina Guaíba é um empreendimento totalmente seguro do ponto de vista ambiental, não vai gerar passivo ou risco aos recursos hídricos da região e, ainda, a área estará totalmente recuperada após o término da vida útil da mina.
As famílias residentes no Guaíba City e em um assentamento da reforma agrária serão removidas em um prazo de cinco anos. Esta remoção ocorrerá após processo de negociação e o reassentamento deverá ocorrer em uma área melhor que a atual, ainda a ser definida.

PRODUÇÃO


Na fase de operação, que deverá durar 30 anos, está prevista a extração de 166 milhões de toneladas de carvão, além de 422 milhões de metros cúbicos de areia e outros 200 milhões de metros cúbicos de cascalho. Nesta fase, deverão ser arrecadados R$ 218 milhões em impostos por ano, sendo R$ 143 milhões diretos do empreendimento.

A expectativa é que o empreendimento cause um impacto de 4,5% no Produto Interno Bruto (PIB) do estado do Rio Grande do Sul.
De acordo com Weber, a empresa não pretende interferir no mercado de extração de areia porque o foco é a mineração de carvão. No entanto, ele abriu a possibilidade de um consórcio entre as Copelmi e as mineradoras, que poderá ser discutido após a implantação do projeto.

GERAÇÃO DE EMPREGO


Segundo as previsões da Copelmi, a instalação da mina deverá iniciar em 2020 e em2023 já estará operando. O fechamento está previsto para 2052.
Durante o período de construção da mina, ao longo dos três anos da obra, serão ofertados 331 empregos diretos e 83 empregos indiretos. Nesta fase, os empregos serão temporários. A mina terá uma duração de 30 anos e, neste período, serão gerados, aproximadamente, 1.150 empregos diretos e 3.360 empregos indiretos.
Sobre a formação e aproveitamento de mão de obra local, Weber disse que a intenção é empregar, em sua maioria, profissionais da região.

DISCUSSÃO

Conforme o projeto, a Mina Guaíba ocupará uma área de 4,5 mil hectares e a Copelmi busca a licença de instalação (que permite o início das obras) para o empreendimento avaliado em até R$ 600 milhões.
Entidades ambientais são contrárias ao licenciamento da mina por estar localizada ao lado do Parque Estadual Delta do Jacuí. A empresa sustenta que novas tecnologias garantem segurança contra a poluição.

LEIA TAMBÉM:

Mina Guaíba deverá gerar quase 5 mil empregos na região
Charqueadas: realizada audiência pública para apresentação do Estudo de Impacto Ambiental da Mina Guaíba
Entidades ambientais pedem audiência pública em Porto Alegre para debater o projeto Mina Guaíba
Deputados e vereadores pedem audiência pública em Porto Alegre sobre a Mina Guaíba
Mina Guaíba, os dois lados de um projeto
Mina Guaíba: MPE e MPF recomendam realização de nova audiência pública