Mina Guaíba, os dois lados de um projeto

Empresa pretende extrair carvão em área na região metropolitana. O impacto ambiental gera debates e controvérsia

Por Portal de Notícias 09/04/2019 - 19:01 hs
Foto: Divulgação / Copemi Mineração
Mina Guaíba, os dois lados de um projeto
Mina será localizada ente Charqueadas e Eldorado do Sul

A instalação da Mina Guaíba, entre Eldorado do Sul e Charqueadas, a cerca de 30 km das ilhas de Porto Alegre, irá gerar empregos e novos investimentos. Contudo, traz inseguranças relacionadas à questão ambiental. O impacto do projeto que pretende extrair carvão na região Metropolitana foi discutido ontem, na Rádio Bandeirantes. Um dos pontos abordados foi o destino dos rejeitos gerados na extração do minério.

LEIA TAMBÉM
Charqueadas: realizada audiência pública para apresentação do Estudo de Impacto Ambiental da Mina Guaíba
Mina Guaíba deverá gerar quase 5 mil empregos na região


Responsável pelo empreendimento, a empresa Copelmi Mineração destaca que o projeto não armazenará os rejeitos em barragens. De acordo com Cristiano Weber, gerente de sustentabilidade da Copelmi, os rejeitos não irão prejudicar o meio ambiente.

- As cavas abertas para extrair o carvão irão armazenar os rejeitos. Eles ficam no fundo da abertura, não saem de lá. Só vão para o rio Jacuí, por exemplo, se vencerem a lei da gravidade - comentou.
As cavas (escavações) são abertas para que o carvão seja extraído a cem metros de profundidade. Elas se fecham à medida em que novas cavas são abertas, e sustentam os rejeitos no fundo. O processo durará de 23 a 30 anos.
A Copelmi mantém seis minas no Rio Grande do Sul. Irani Medeiros, procuradora jurídica do Consórcio Intermunicipal de Gestão Ampliada da Região Carbonífera, destacou que mora a 1 km da mina de Butiá, que fica a 79 km de Porto Alegre, e jamais sentiu problemas relacionados a ela. Assim, defendeu a Mina Guaíba.
- O projeto contempla respostas aos impactos ambientais. Se há carvão, ele precisa ser explorado o quanto antes - afirmou.

OUTRO LADO

Para ambientalistas, o relatório de impacto ambiental apresentado pela Copelmi é inconsistente. Francisco Milanez, presidente da Agapan (Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural), a extração de carvão traz problemas ao meio ambiente.
- Relacionar um combustível fóssil com sustentabilidade é complicado. O carvão destruiu a China, as pessoas precisam usar máscaras lá. Existem outras formas de gerar energia, como as energias eólica e solar - pontuou.
Deputados e vereadores pedem uma audiência pública para tratar do tema. Dentre eles, está o deputado estadual Jeferson Fernandes (PT), que entende a relevância da obra para a região, mas exige atenção.
- Quando se discute um projeto alternativo, é importante que haja garantias ambientais. Não tenho preconceito em relação à exploração do carvão, mas tenho cautela em nome do interesse público – disse.


O CARVÃO

É o segundo combustível fóssil mais utilizado no mundo, somente atrás do petróleo. Ele pode ser queimado como em antigas usinas termelétricas. No caso da Mina Guaíba, porém, o carvão seria gaseificado, o que permitiria a conversão do produto para outros gases, como gás natural e metano.

As informações são do jornal Metro e Rádio Bandeirantes