Em audiência pública, Copelmi vai prestar esclarecimentos sobre barragem em Butiá

População teme o rompimento como ocorreu recentemente na cidade de Brumadinho, em Minas Gerais

Por Portal de Notícias 12/02/2019 - 09:30 hs
Foto: Ascom / PM Butiá
 Em audiência pública, Copelmi vai prestar esclarecimentos sobre barragem em Butiá
Audiência foi marcada durante reunião entre Câmara. Executivo e empresa

Na próxima segunda-feira (18), às 14 horas, na Câmara de Vereadores de Butiá, será realizada uma audiência pública para que a Copelmi preste esclarecimentos à população sobre a situação da barragem de finos, localizada na Mina do Recreio.
Nos últimos dias, o desastre na barragem de Brumadinho, em Minas Gerais, ocorrido no dia 25 de janeiro, levantou diversos questionamentos da população em relação à segurança dos moradores dos bairros Charrua e R1, localizados próximos à barragem.
A audiência foi proposta pelo vereador Maurício Souza Pereira (Mauricinho), presidente do Legislativo butiaense, em reunião com o prefeito Daniel Almeida, o vice-prefeito Cadoda e o representante da Copelmi, Carlos Faria.
Serão convidados para a reunião os vereadores, o prefeito e o vice, a Secretaria de Meio Ambiente, o Ministério Público, o Poder Judiciário, o Conselho Municipal de Meio Ambiente e uma Comissão de Moradores do Bairro Charrua.


Leia também:
Copelmi afirma que barragem em Butiá está segura

No último dia 7, prefeito e vice já haviam sido recebidos pela empresa, em reunião fechada, para falar sobre a barragem.  
Na ocasião o diretor da mineradora, Carlos Faria, informou aos líderes do Executivo que a empresa segue rigorosamente todos os procedimentos de segurança necessários para que não ocorra o rompimento e também, que a barragem passa por constantes manutenções.
Ainda conforme a explicação de Faria, atualmente há um volume de 2 milhões de metros cúbicos já sedimentados, o que significa que o material está sólido e que caso ocorra o rompimento, não existem riscos de residências serem atingidas, pois a distância que os rejeitos percorreriam é de, no máximo, 150 metros.
Estas explicações, no entanto, não foram suficientes e as cobranças de explicações pela população continuaram pelas redes sociais, o que levou a marcação da audiência da próxima segunda-feira.