Empresa de Montenegro assume responsabilidade pelo mau cheiro na região

Ecocitrus teve atividades suspensas pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente montenegrina

Por Portal de Notícias 06/02/2019 - 11:45 hs
Foto: Jornal Ibiá
Empresa de Montenegro assume responsabilidade pelo mau cheiro na região
Empresa teve uma de suas atividades suspensas pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA)

 A Cooperativa de Citricultores Ecocitrus, de Montenegro, assumiu publicamente a responsabilidade pelo mau cheiro que vinha sendo sentido pela população montenegrina e, também, de Triunfo, Charqueadas e São Jerônimo nos últimos meses.

No último dia 30 a empresa teve uma de suas atividades suspensas pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) de Montenegro, após ser constatado que a aplicação de resíduo industrial em solo agrícola estaria causando o odor.
O presidente da Cooperativa, Ademar Henz, disse ao Jornal Ibiá, de Montenegro, que o mau cheiro ocorre porque o líquido aplicado no solo ainda não está completamente maturado. Ademar disse que medidas já estão sendo tomadas para resolver o problema e que em cerca de 60 dias um novo processo, utilizando biodigestores de gás, estará em funcionamento, o que permitirá a retomada dos trabalhos. “Hoje estamos investindo para que nosso processo se torne cada vez menos agressivo à natureza. Só que ao mudar de processo precisamos de um tempo para adaptação”, comentou à reportagem do jornal montenegrino.
Ademar reconhece a responsabilidade da empresa que representa, mas afirma que a Ecocitrus não é a única responsável por atividades que resultam nos odores sentidos em Montenegro. “A gente não se manifestou antes porque as pessoas já estavam nos acusando. A Ecocitrus sabe que tem participação nesse desconforto que está afetando a região, mas muitas vezes a gente é acusado e não é a culpada. Esse cheiro tem diversas fontes, não precisa ser necessariamente uma empresa”, aponta.

RECLAMAÇÕES SÃO RECORRENTES

Segundo o secretário de Meio Ambiente de Montenegro, Adriano Chagas, de 2017 até janeiro deste ano a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) teve três queixas protocoladas no CNPJ da Ecocitrus, referentes a atividade relatada acima. “As reclamações são recorrentes”, enfatiza o secretário. Em 2018 a secretaria de Meio Ambiente já havia enviado um ofício para Fepam alertando sobre o caso. Como medida, o órgão apontou a adoção de mudanças, que ainda estão dentro do prazo para serem implementadas, relata Adriano.
O secretário de Meio Ambiente de Triunfo, Vinicius Pozo, publicou em uma postagem no Facebook que  durante uma audiência publica ocorrida na cidade,
uma das empresas reconheceu que o produto não estava maturado ou pronto. “Isto foi passado para o licenciador da Fepam que se prontificou de fazer visita técnica à empresa. A empresa informou que teve visita da Fepam e que deram um prazo para eles resolverem o problema. Esperamos que a empresa não entregue produto sem estar maturado. Por este motivo o CODEMA (Conselho de Defesa do Meio Ambiente) criou uma resolução que entrará em vigor após ser publicada”, publicou.