Bolsonaro e Haddad decidirão a eleição para presidente no segundo turno

Candidato do PSL obteve 46% e o do PT teve 29% dos votos válidos

Por Portal de Notícias 08/10/2018 - 02:11 hs
Foto: Reprodução
Bolsonaro e Haddad decidirão a eleição para presidente no segundo turno
Jair Bolsonaro e Fernando Haddad disputarão o segundio turno

Os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) decidirão no segundo turno quem será o presidente do Brasil pelos próximos quatro anos, segundo os dados divulgados pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) neste domingo, 7. Bolsonaro obteve 46% dos votos válidos, contra 29% do seu adversário.

Bolsonaro e Haddad disputam a Presidência pela primeira vez e foram os dois mais votados entre os 13 postulantes ao Palácio do Planalto. Esta é a oitava eleição presidencial por meio do voto direto desde a redemocratização, no fim da década de 1980. O vencedor governará o Brasil de 1º de janeiro 2019 a 31 de dezembro de 2022.
O resultado do primeiro turno quebrou a polarização entre PT e PSDB na eleição presidencial. Nas últimas seis eleições, os dois primeiros colocados foram dos dois partidos, e houve duas vitórias do PSDB (1994 e 1998) e quatro do PT (2002, 2006, 2010 e 2014).

Haddad
Em pronunciamento após a definição do segundo turno da eleição presidencial, o candidato a presidente pelo PT disse que a nova etapa da eleição será uma “oportunidade de ouro”.
- O segundo turno nos abre uma oportunidade de ouro para discutir frente a frente, sem medo de ser feliz. Sempre estive do lado da liberdade, da democracia, não vou abrir mão dos meus valores - disse.
Após a confirmação de que está no segundo turno, Haddad  telefonou para o Ciro Gomes (PDT) e Guilherme Boulos (PSOL). Nas conversas, o petista elogiou o desempenho dos dois e agradeceu pela contribuição à democracia.
Os telefonemas foram entendidos como o primeiro passo para uma aliança no segundo turno.
Bolsonaro
O candidato do PSL à Presidência destacou que o Brasil já teria um presidente eleito neste domingo não fossem os “problemas” do sistema eletrônico. Durante a votação, a campanha do presidenciável denunciou supostas irregularidades no sistema eletrônico e questionou a legitimidade do pleito.
Neste domingo, além do Rio, Santa Catarina e Rio Grande do Sul registraram problemas em urnas. O principal obstáculo foi em relação à validação da biometria, o que causou demora, confusão e abstenções. Para ser eleito no primeiro turno, ele precisava de ao menos 50% dos votos válidos. A Justiça Eleitoral reafirmou que o sistema é seguro, sem constatação de qualquer fraude em 22 anos de uso.
Apoiadores de Bolsonaro se reuniram em frente do condomínio do presidenciável, na Praia da Barra, na Zona Oeste do Rio. O trânsito na Avenida Lúcio Costa chegou a ser interrompido por cerca de cinco minutos quando o grupo ergueu faixas com as frases “Quem mandou matar Jair Bolsonaro” e “É preciso muito mais que uma facada para calar a voz do povo”. Enquanto as faixas eram exibidas, os apoiadores cantavam o hino nacional .