Vice-prefeito de Charqueadas cobra agilidade na construção de novo presídio

Vice-prefeito de Charqueadas cobra agilidade na construção de novo presídio

Prevista para ter iniciado em fevereiro deste ano, a obra ainda não saiu do papel

Por Portal de Notícias 05/07/2018 - 10:21 hs
Foto: Bernardo Souza / Ascom PM Charqueadas
Vice-prefeito de Charqueadas cobra agilidade na construção de novo presídio
Local já foi definido e área foi repassada ao governo federal

Lideranças cobram agilidade do governo federal para construção do presídio de segurança máxima em Charqueadas. Prevista para ter iniciado em fevereiro deste ano, a obra do novo presídio de segurança máxima de Charqueadas ainda nem saiu do papel. O vice-prefeito da cidade Edilon Lopes (MDB) foi a Brasília pressionar o governo federal para dar início à construção. As informações são da Globo.com.
- A gente chegou bastante angustiado, porque a perspectiva que se tinha é de que menos de um mês após a transferência dos terrenos para a União, já estaríamos iniciando a licitação da obra. A própria gestão do Depen (Departamento Penitenciário Nacional) havia prometido que a obra estaria pronta até o final deste ano - afirma o vice-prefeito.

Leia também:
Presídio federal gaúcho segue sem previsão de obras
Governo federal confirma construção de presídio em Charqueadas

Expectativa é que presídio federal movimente R$ 2,5 milhões por mês no município

Em janeiro, em uma solenidade no Palácio Piratini com a presença do ministro da Justiça Torquato Jardim, a Prefeitura de Charqueadas fez a doação de dois terrenos do município para a construção da nova cadeia. Naquela época, a previsão era que a obra começasse até o mês de fevereiro, mas até agora isso não aconteceu. Agora, a promessa do Depen é de que em dez dias o governo federal conclua a licitação para contratar a empresa que vai fazer a análise do solo do local onde deve ser erguido o empreendimento. Depois disso, tem que ser aberta outra licitação para escolher a empresa que vai construir o prédio.
O presídio vai ser construído em uma área de 25 hectares junto ao coplexo prisional. O governo federal vai liberar R$ 42 milhões para a execução da obra. Estão previstas 218 vagas para presos de alta periculosidade. No local, serão recebidos presos de facções criminosas de todo o país.