Aumenta o número de homicídios na região Carbonífera

Estatísticas criminais do 1º bimestre de 2018 foram divulgadas nesta segunda-feira pela Secretaria de Segurança Pública

Por Portal de Notícias 12/03/2018 - 17:25 hs
Foto: Divulgação/SSP
Aumenta o número de homicídios na região Carbonífera
Secretário Cézar Schirmer divulgou os índices na manhã de hoje

Enquanto a Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP) comemora redução dos índices de crimes contra a vida no estado, nos municípios da região Carbonífera ocorreu o contrário. Os dados foram divulgados na manhã desta segunda-feira, 12, e no primeiro bimestre de 2018 os índices aumentaram 66%, passado de 3 em 2017 para 5 no mesmo período de 2018. No primeiro bimestre de 2017 os três crimes ocorreram em Arroio dos Ratos, Butiá e São Jerônimo, já no mesmo período de 2018 as ocorrências foram registradas em Butiá (3) e Triunfo (2).

Os demais índices de criminalidade tiveram redução ou se mantiveram estáveis. Foram reduzidos os crimes de furto (-19,6%), abigeato (-69,56%), furto de veículos (-37,5%) e roubos (-30,76%). Já os roubos de veículos, estelionatos, posse de armas e munições, posse e tráfico de entorpecentes se mantiveram estáveis.

Triunfo não pertence à 17ª DPRI

A 17ª Delegacia de Polícia Regional do Interior (17ª DPRI) abrange os municípios de Arroio dos Ratos, Barão do Triunfo, Butiá, Charqueadas, General Câmara, Minas do Leão e São Jerônimo. Segundo o delegado regional interino, Nedson Ramos de Oliveira, se for levado em conta que o município de Triunfo, que politicamente pertence à região Carbonífera, mas não faz mais parte da área de abrangência da Regional, o índice de homicídios foi igual ao de 2017, com três casos.

 - Triunfo não faz mais parte da 17ª DPRI de São Jerônimo, não tenho como falar sobre os fatos lá ocorridos. Mas, é claro, o foco não é uma disputa pela diminuição de índices apenas, mas intensificar e qualificar o trabalho de investigação e de polícia judiciária, que naturalmente vai refletir na redução dos índices criminais. Pode até haver uma variação positiva em outros fatos, o que nos indicará a necessidade de direcionarmos o trabalho nessa área – avalia o delegado, que destaca que as estatísticas criminais são uma ferramenta, “uma bússola”, que aponta os fatos que estão mais intensos num determinado momento.

Traficantes cada vez mais jovens

Oliveira, que é delegado titular da DP de Butiá, município onde os crimes estão relacionados ao tráfico de entorpecentes, revela que, segundo as informações que a Polícia Civil possui, não há aumento do número de traficantes ou de pontos de tráfico, mas uma disputa maior por áreas.

- Pode ser por aumento no consumo: mais vendas, mais lucro, mais interesse no negócio. Ou ao contrário, pela diminuição no consumo: menos vendas, mais importante defender seu ponto e tentar conquistar outros. Não temos como dimensionar isso neste momento. O que notamos, também, é uma mudança no perfil dos traficantes, cada vez mais jovens, afoitos e imediatistas, o que faz aumentar os confrontos – revela o delegado.

Índices da região Carbonífera

Índices diminuíram no estado

No estado, os crimes contra a vida mantiveram, no primeiro bimestre de 2018, a tendência de queda registrada em 2017. O balanço dos dados estatísticos da criminalidade, apresentado pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) nesta segunda-feira, 12, aponta redução de 63,9% nos índices de latrocínio e 34,5%% nos homicídios, em comparação ao mesmo período no último ano.

Em Porto Alegre, as ocorrências de homicídio doloso diminuíram 38,8% e as de latrocínio 60%. A principal diferença na análise dos meses de janeiro e fevereiro está na diminuição do número de vítimas fatais nos índices de homicídio doloso, que chega a 33,7% no Estado – um total de 211 mortes a menos. Na capital, a redução registrada é de 41,1%, ou 74 vítimas a menos, em comparação com o mesmo período em 2017.

Para o secretário Cezar Schirmer, os números apresentados refletem o esforço do governo estadual em fornecer os recursos humanos e materiais necessários ao desempenho das funções dos órgãos da Segurança Pública.

- Os números absolutos ainda são altos, mas o que vemos é a manutenção de uma curva descendente que comprova a efetividade dos investimentos feitos no reaparelhamento das instituições e no ingresso de novos servidores - afirmou.

O secretário destacou, também, ações que são consideradas estratégicas dentro do contexto de redução dos índices de criminalidade, como as operações da Brigada Militar em zonas de maior incidência criminal, a transferência de líderes do crime organizado para presídios federais e a estruturação das Delegacias de Repressão ao Crime de Lavagem de Dinheiro.

- Foi um processo bem sucedido, que visou asfixiar o poder financeiro das quadrilhas e desarticular a sua cadeia de comando -  lembrou Schirmer.

Divulgação oficial

Ao todo, 16 indicadores compõem a divulgação oficial da SSP. Eles representam os crimes de maior potencial ofensivo contra a vida e contra o patrimônio. Pela primeira vez, todos índices avaliados registraram queda em âmbito estadual. Confira, abaixo, os outros 14 indicadores:

- Furto: -16%

- Roubo: -22,5%

- Furto de veículos: -16,2%

- Roubo de veículos: -11,9%

- Abigeato: -30,8%

- Furto de banco: -29,6%

- Roubo de banco: -42,9%

- Roubo de usuários de transporte coletivo: -60,7%

- Roubo de profissionais de transporte coletivo: -32,9%

- Roubo de comércio: -38,5%

- Furto de comércio: -26,7%

- Ameaça contra mulheres: -9,7%

- Estupro de mulheres: -16,3%

- Lesão corporal contra mulheres: -7,9%

Reestruturação do Observatório da Segurança Pública

O Observatório Estadual da Segurança Pública (OESP), responsável pela gestão dos indicadores criminais da SSP, está aprimorando suas ações e reforçando seu quadro de servidores. Para qualificar ainda mais a análise dos dados, a SSP recebeu o aporte de dois engenheiros de produção do quadro geral de servidores do Estado e dois técnicos da Fundação de Economia e Estatística (FEE).

Com o mesmo intuito, foram firmados convênios com a Universidade Autônoma de Lisboa, com a Uniritter, com a Faculdade de Direito de Santa Maria (Fadisma) e com o Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento (IMED). As parcerias visam a produção de conhecimento científico e a elaboração de políticas públicas mais alinhadas com a realidade do RS.

Anteriormente, os dados eram divulgados com periodicidade semestral. Na atual gestão da SSP, a divulgação se tornou trimestral. Com o incremento de servidores no OESP, foi possível diminuir o tempo entre a publicação dos indicadores, que agora passam a ser disponibilizados em caráter bimestral. “Pretendemos, ainda este ano, estabelecer o processo de divulgação a cada 30 dias, sendo ainda mais transparentes com relação aos indicadores”, frisou Schirmer.

Um novo sistema de gestão de dados foi implantado no OESP, com o intuito de agilizar e facilitar a visualização das estatísticas de criminalidade em todos os municípios do Estado. O software Qlikview também será difundido para todos os gestores de segurança do RS, que poderão acessar e acompanhar os dados em tempo real, atualizados diariamente.

A ação segue a diretriz de explorar ao máximo o uso da tecnologia na elaboração de estratégias no combate à criminalidade adotada pela pasta. O Qlikview é uma solução desenvolvida para aperfeiçoar os processos de gestão operacional e administrativa, através do aprimoramento do controle dos indicadores criminais.

A aquisição do software contou com o aporte de recursos do Programa de Oportunidades e Direitos (POD), parceria do governo do Estado com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O investimento foi de R$ 1,5 milhão – R$ 1,2 milhão na compra da licença de uso e R$ 300 mil em consultoria e capacitação de servidores.