Seja bem-vindo
São Jerônimo, RS, 13/07/2024

  • A +
  • A -
Publicidade

Comitiva gaúcha reforça demandas do RS no Congresso Nacional

Principais pautas são o aumento do valor disponível do Pronampe; liberação das linhas de crédito do BNDES com maior volume de recursos de capital de giro; pausa nos financiamentos por 12 meses; isenção de impostos federais por seis meses, entre outras med

Joel Vargas / Ascom GVG
Comitiva gaúcha reforça demandas do RS no Congresso Nacional Na reunião com o presidente do Senado, o vice-governador ressaltou o senso de urgência das demandas do RS
Publicidade

Uma comitiva gaúcha liderada pelo vice-governador Gabriel Souza reforçou, em Brasília, a pauta de reivindicações do Rio Grande do Sul em reuniões com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e do Senado Federal, Rodrigo Pacheco. Os encontros ocorreram nesta terça-feira (9/7) e contaram com as presenças dos secretários de Desenvolvimento Econômico, Ernani Polo, e da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação, Clair Kuhn, além de representantes de entidades ligadas às atividades econômicas das bancadas estadual e federal.

O documento entregue aos presidentes tinha como principais pautas o aumento do valor disponível do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe); a liberação das linhas de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com maior volume de recursos de capital de giro e ampliação dos critérios, excluindo a obrigatoriedade de localização na chamada mancha alagada; pausa nos financiamentos por 12 meses; isenção de impostos federais por seis meses, entre outras medidas.

— Não é bom para o Brasil deixar o Rio Grande do Sul na inação de recursos financeiros, sem a sua economia voltar a atingir patamares anteriores à calamidade, porque isso vai piorar a balança comercial. Somos um Estado exportador, a quarta maior economia do país, e as dificuldades gaúchas também vão impactar negativamente no Produto Interno Bruto, nos índices de empregabilidade e, principalmente, no índice de desenvolvimento humano do país — enfatizou o vice-governador.

Em resposta, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, acenou de forma positiva ao pleito e informou que em reunião já agendada com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, levará também a pauta gaúcha.

— Nesta reunião vamos discutir a realidade da disponibilidade financeira e orçamentária para atender com mais rapidez as demandas do Rio Grande do Sul com todas as observações feitas pela comitiva gaúcha — comprometeu-se.

A delegação do RS também acompanhou a audiência pública da Comissão Externa para avaliar os danos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul, na Câmara dos Deputados.

No Senado, durante a audiência com o presidente Rodrigo Pacheco, que também contou com a presença do senador Hamilton Mourão, o vice-governador destacou a urgência das demandas do RS, incluindo a insuficiência do subsídio para pagamento de salário a empregados de empresas por dois meses. Gabriel ainda sugeriu a destinação dos R$ 7 bilhões inicialmente previstos pelo governo federal para o leilão de arroz para financiar uma nova linha de crédito para o agronegócio.

Pacheco endossou as reivindicações gaúchas:

— É importante este apoio da bancada para dar soluções e, no caso do Rio Grande do Sul, chamar atenção para as iniciativas que devem ser tratadas com a particularidade que o momento exige — afirmou o presidente do Senado Federal.

Clair Kuhn afirmou que os encontros foram cruciais para colocar em pauta no Congresso Nacional as necessidades do agronegócio, um dos principais motores da economia gaúcha.

— Conseguimos expor as dificuldades dos agricultores e principalmente do acesso a crédito. São pedidos que precisam ser atendidos com urgência e que vamos acompanhar até a resolução da situação — frisou.

Ernani Polo ressaltou a importância das reivindicações para o Rio Grande do Sul:

— As reivindicações que levamos aos presidentes da Câmara e do Senado são necessárias, uma vez que o Rio Grande do Sul sempre contribuiu para a economia brasileira e tem papel de liderança em vários setores. O nosso Estado sofreu imensamente e precisa da União para complementar as medidas que o governo estadual já está tomando para reestruturar o RS — concluiu.

Dando continuidade ao tratamento dos temas discutidos em Brasília, o vice-governador participará de uma reunião virtual na quarta-feira (10/7) com o presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, e com o Ministro-Chefe da Secretaria Extraordinária de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, Paulo Pimenta, para dar sequência ao debate sobre as linhas de crédito oferecidas pelo governo federal e sobre o atendimento às demandas dos empresários gaúchos.

Publicidade



COMENTÁRIOS

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.