Decretada prisão preventiva de envolvidos na morte de homem negro em supermercado de Porto Alegre

Juiz converteu a prisão em flagrante em prisão preventiva e destacou a brutalidade do crime

Por Portal de Notícias 20/11/2020 - 19:02 hs
Foto: Reprodução / Internet
Decretada prisão preventiva de envolvidos na morte de homem negro em supermercado de Porto Alegre
Juiz converteu a prisão em flagrante em prisão preventiva e destacou a brutalidade do crime

O juiz plantonista do Foro Central de Porto Alegre, Cristiano Vilhalba Flores, determinou a prisão preventiva de Magno Braz Borges e Giovane Gaspar Da Silva, apontados por envolvimento na morte de João Alberto Silveira Freitas, ocorrida na noite desta quinta-feira (19/11), no estacionamento do supermercado Carrefour, na zona norte da capital.
Conforme o magistrado, “existem indícios de autoria pelas declarações das testemunhas, as quais afirmaram que a vítima fora detida pelos flagrados, sendo que estes teriam argumentado que agiram para cessar uma agressão que a própria vítima teria cometido contra terceiro, funcionário da empresa onde os fatos ocorreram. Os indícios de autoria são reforçados pelos vídeos juntados aos autos, onde se pode verificar toda a ação que culminou no óbito da vítima, que viera a falecer no local”.
_____________
LEIA TAMBÉM
VÍDEO | Homem negro é espancado até a morte em supermercado em Porto Alegre
_____________
O Juiz converteu a prisão em flagrante em prisão preventiva e destacou a brutalidade do fato ocorrido.
“Pela análise do vídeo do momento em que o evento se desenrolou, pode-se constatar que, em que pese possa o fato ter se iniciado por ato da vítima, a ação dos flagrados extrapola ao que se pode conceituar como necessária para a contenção desta, pois passaram a praticar, contra ela, agressões quando já ao solo. Embora não seja este o momento para a verificação da tipificação da conduta dos flagrados de uma forma definitiva, é necessária uma prévia e provisória análise das condutas para um juízo mínimo sobre a gravidade do fato a justificar a manutenção da segregação destes”.
Também ressaltou que “não há como se afastar, de plano, o dolo homicida na conduta, pelo menos na sua forma eventual”.
“Portanto, pelo menos neste momento, até para fins de melhor elucidação de todo o evento trágico ocorrido, a prisão cautelar dos flagrados se justifica, pelo que a aplicação de qualquer outra medida cautelar seria inadequada e insuficiente”.








Deixe seu Comentário

Os comentários de leitores, no site ou em redes sociais, não representam a opinião do Portal de Notícias e são de responsabilidade única e exclusiva de seus autores, que poderão ser responsabilizados legalmente pelo seu conteúdo.