Gerdau de Charqueadas pode reduzir ganhos dos trabalhadores em 30%, diz sindicato

Implantação de turno fixo deve causar prejuízos aos colaboradores e à economia da cidade e região

Por Portal de Notícias 20/02/2020 - 17:37 hs
Foto: Banco de Imagens
Gerdau de Charqueadas pode reduzir ganhos dos trabalhadores em 30%, diz sindicato
Implantação de turno fixo deve causar prejuízos aos colaboradores

 

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos (Sindimetal), Jorge Luiz Silveira de Carvalho, o Luizão, alerta que a unidade da siderúrgica Gerdau de Charqueadas pretende adotar turnos fixos de trabalho, medida que poderá reduzir os ganhos dos trabalhadores em até 30%, causando prejuízos econômicos à economia da cidade e região.
Segundo Carvalho, a empresa pretende adotar o novo regime de turnos a partir de 1º de maio, quando terminará o acordo coletivo que estabeleceu o atual regime de trabalho. Com esta medida, os trabalhadores passarão a exercer suas atividades ou no turno do dia ou da noite. Como são pagos dois adicionais – o noturno e o de turno -, quem ficar à noite perderá um benefício e, quem ficar no turno do dia, perderá os dois, informou o sindicalista.
- A Gerdau quer reduzir os ganhos dos trabalhadores. Essa redução vai girar em torno de 30% e vai criar um problema econômico muito grade para a região. A fixação de turno, além de trazer problema para a vida destes companheiros, que vão ser escravizados, também vai trazer um problema econômico. Essa redução de 30%%, em alguns salários, pode significar mais de R$ 1 mil por mês. Também vai haver perdas no 13º salário, fundo de garantia e férias – diz Luizão.
De acordo com o sindicalista, o atual regime de turnos existe em função de acordo coletivo e a empresa não pretende fazer novo acordo com a categoria.
- O que a Gerdau decretou agora é que não tem acordo. Em 30 de abril expira o acordo coletivo e dia 1º de maio vão implantar o turno fixo, da forma mais arbitrária possível. A gente vai brigar para evitar isso, pois vai ser o caos para a cidade e para a região – alerta Luizão.
Nos próximos dias, o Sindimetal vai publicar um vídeo nas redes sociais alertando para o que pode acontecer. Além disso, um ato público está marcado para o dia 26 de março, em frente ao sindicato, conclamando a comunidade, a classe política e o comércio para se engajarem na defesa dos trabalhadores.
- Vai afetar vai afetar todo mundo. Tente imaginar diminuir em 30% os ganhos destes trabalhadores. Essa medida vai provocar desemprego. O pessoal vai embora. É caótica a situação. Estamos na luta para evitar que isso aconteça – afirma Luizão.
A unidade da Gerdau de Charqueadas tem cerca de 680 trabalhadores.

NEGOCIAÇÕES

Segundo Luizão, a Gerdau pretendia antecipar as negociações  do dissídio coletivo no início de fevereiro, mas a data-base é maio.
- Como já sabemos o que eles querem, não queremos antecipar. Pretendemos seguir os trâmites normais: entregar a pauta de negociações em abril, fazer o cronograma de reuniões e sentar para negociar com eles. Até porque já deixamos bem claro que não tem acordo e que não aceitamos (o turno fixo) – finaliza.

CONTRAPONTO

Até a publicação desta matéria a assessoria de imprensa da Gerdau não havia respondido ao contato da reportagem.