Mosqueteiro levanta a cuia do Gauchão, o campeonato mais difícil do mundo!

Foram duas escaramuças encardidas, parelhas

Mosqueteiro levanta a cuia do Gauchão, o campeonato mais difícil do mundo!
Renato comemora mais um título no comando do Grêmio

Como existem cueras que avacalham o Gauchão. Mas bah, tchê! Gaúchos que destratam a peleja esportiva mor destes pagos! Todavia, são um punhado de gargantas, uma meia-dúzia de cinco ou seis por cento dos rio-grandenses, tão somente. A minoria.

Devemos, isso sim, reconhecer que o Gauchão mobiliza multidões, milhares e milhões: 45 mil pessoas no Beira-Rio e 51 mil na Arena, isto é, 96 mil torcedores lotaram os estádios para ver a final; foi a maior audiência da RBS TV em 12 anos, com 1.600.000 expectadores só na Região Metropolitana! Os números são fatos e, com os fatos, não se briga, como ensinou Russell.

Foram duas escaramuças encardidas, parelhas, dois 0x0 decididos nos pênaltis na última partida. Mas, como eu disse na quarta-feira passada, “em gramado que Mosqueteiro esgrima, Saci não pula”, e assim foi. Não sou o Tigrinho, embora também acerte algumas previsões. Assim, os vermelhos lutaram como nunca e perderam como sempre vem perdendo nos últimos anos. Como diz o próprio hino colorado: “Teus astros cintilam num céu SEMPRE AZUL”!

Desta forma, a taça do Gauchão é do Grêmio, Bicampeão Gaúcho. E percebam  que essa conquista guarda coerência histórica: 2018 e 2019 foram, respectivamente, o centenário da Federação Gaúcha de Futebol e do Gauchão. Os títulos marcantes o Grêmio ganha: 1935, Taça 100 anos Farroupilha, 1968, Cinquentenário da Federação.

___________
PS - Agora a dupla Gre-Nal se volta para o exterior: Libertadores da América, Copa do Brasil e Brasileiro. Falando da Libertadores, o Tricolor joga agora às 19h15min no Paraguai contra o Libertad que, se não possui torcida, tem time. Um timaço! Tão bom que, para se ter uma ideia, em um jogo na Arena fez um gol no Grêmio, coisa que o Inter, por exemplo, não conseguiu fazer em três Gre-Nais no Gauchão! Mesmo contando, em dois deles, os finais, com Guerrero e Nico Lopez. Buenas, com Geromel e Kennemann, a coisa é difícil mesmo. Eis que formam a melhor zaga da América do Sul. Rivalidades locais à parte, o Imortal tem uma parada dura hoje à noite e precisa vencer.
Já o Inter joga no Peru amanhã, terra do Guerrero, que é idolatrado por lá, sendo que a atração do jogo é ele, não o Inter ou o Alianza Lima, clube, aliás, onde o atacante iniciou, nas categorias de base. Tem muita moral o cara, mesmo estando em liberdade condicional Fifa. E merece: grande jogador de futebol, foi um prazer vê-lo ao vivo em campo no último Grenal, na Arena. O Inter fez muito bem em adquirir seu passe.