Shazam

Herói inesperado faz um dos melhores filmes da DC

Por Filmes & Séries - Marcelo Figueiró 17/04/2019 - 13:47 hs

Há trinta anos, filmes de super-heróis eram um sonho quase inalcançável. Existia apenas o do Superman, de 1978. O primeiro Batman veio aparecer só 1989. Havia também algumas séries antigas, trash, que olhávamos vidrados, como se fossem a coisa mais importante do mundo. Superman (1952), Batman (1966) e até a Mulher Maravilha (1975) figuravam nestes programas de TV que eram reprisados insistentemente. Discutir a possibilidade de uma História em Quadrinhos ser transformada em filme era uma diversão para gurizada da época.



GRANDES DEBATES

Pois em um destes acalourados debates, um primo meu, Cristiano, saiu com o seguinte argumento. “Se eu fosse diretor faria um filme do Shazan”. Quem? “Do Capitão Marvel da DC”, explicava ele. “Tinha uma série dele nos anos 70. E li numa revista que até hoje (década de 90), o ator recebe cartas de fãs pedindo que o programa volte”. Eu pensava: “Que bobagem. Capaz que alguém vai fazer um filme por causa da manifestação do público. Vão fazer pelos poderes do personagem, óbvio”. Pois trinta anos após nossa discussão, não é que Shazam finalmente tem sua chance no cinema. Mais que isto, o filme é surpreendentemente bom e aposto que vai dar uma reviravolta no Universo DC no cinema.

VOCÊ É INDIGNO

O novo filme começa em um flashback de décadas atrás. Um garoto, Tadeus Silvana, está viajando com seu pai quando inesperadamente seu carro é congelado. Ao sair do automóvel se vê em uma caverna e fica frente ao Mago Shazam. O feiticeiro propõe um desafio ao menino. Ele precisa se provar digno da inteligência Salomão, da força de Hercules, do vigor de Atlas, do poder de Zeus, da coragem de Aquiles e da velocidade de Mercúrio. Estes deuses e heróis formam o acróstico do nome do bruxo. Infelizmente o garoto se prova indigno e é banido de volta a terra. A fita corta para o presente e apresenta outro menino, o órfão problemático Billy Batson. Este foge de lares adotivos e caçoa descaradamente da polícia. Capturado pelos assistentes sociais, Billy é enviado para uma nova família, que ele não se adapta. Esta possui pais disfuncionais e outros cinco irmãos adotivos.


O OLHO DO MAL

Novo corte e descobrimos que Silvana cresceu. Ele ficou obcecado pela magia de Shazam e buscou por todo mundo algo que o levasse de volta a caverna. Após vários sacrifícios, finalmente ele consegue seu intento. O doutor consegue invadir o esconderijo e encontra o feiticeiro já idoso e enfraquecido, mas protegendo a fonte de seu poder. Quando vai roubar a energia do Mago, Silvana é tentado pelos opostos maléficos de Shazam. Tratam-se dos monstros chamados Sete Pecados. Estes concedem a Tadeus o poderoso olho do pecado. Atordoado com tanto energia, Silvana foge da caverna. Antes desafia o Mago a apresentar seu campeão, para que ele possa arrancar seus poderes.   

ERA O QUE TÍNHAMOS

Moribundo o Mago usa suas últimas forças para convocar uma pessoa correta o suficiente para ocupar o poder de Shazam. Nisto é abduzido ao local o jovem Billy Batson , que não parece ter nada de nobre. Logo Billy é convencido a dizer o nome do Feiticeiro. Ele grita SHAZAM. Ao fazer isto recebe um raio no peito que o transforma num adulto, musculoso e numa roupa vermelha. Agora o garoto terá que aprender a usar este novo corpo e todos seus poderes para ser reconhecido como o super-herói de Fawcet Citty. Ele também terá que se preparar para enfrentar o maligno Dr. Silvana e os Sete Pecados Capitais. Para isto deverá se adaptar a vida na nova família que poderá lhe auxiliar muito nesta empreitada.

RINDO NA BATALHA

Shazam é um dos melhores filmes da DC justamente porque não apresenta poderes grandiosos, mas uma história simples e o CGI necessário. A película parece uma obra da década de oitenta, com os garotos interagindo muito bem e tendo uma participação fundamental no enredo. Não existe uma batalha monumental como nos outros filmes da Editora, mas algo contido apenas em Fawcet City, com muitas piadas e momentos alegres. Há também uma infinidade de easter eggs e fan services sobre o universo DC.


QUERO SER HERÓI

A própria transformação de Billy em Shazam é muito divertida. Ele mantém a personalidade de criança no corpo de adulto como em “Quero ser Grande” (1988). Na verdade o diretor se preocupou em fazer uma referencia ao filme de Tom Hanks para mostrar que a inspiração vem dali mesmo. O herói usa a idade para comprar cerveja. Ele testa os poderes em meio a gargalhadas, enquanto esmurra blocos de cimento. Também prende ladrões, em troca de doces, e solta raios pelas mãos para ganhar uns trocados. Na verdade o único senão é que Shazam parece mais infantil que o quase marginal Billy. Mas a história é tão legal que a gente acaba se esquecendo disto.

AS CARTAS NÃO MENTEM

Meu primo estava certo. Shazam é um ótimo herói para família. É divertido, bem estruturado e merece ser um sucesso por gerações. Cristiano acertou também na metodologia que os executivos devem usar para organizar uma história. OUÇAM OS FÃS. Nada adianta fazer uma história megalomaníaca, como Batman versus Superman (2016), se as pessoas não querem ir ao cinema para chorar. Que os cartolas escutem mais as cartinhas, eletrônicas ou não. Que continuem desenvolvendo roteiros de heróis humanos, próximos de nós. Estes possuem parentes complexos, como nós. Mais que aprender a usar seus poderes, eles precisam descobrir como amadurecer. Os fãs merecem estas histórias, afinal boa parte deles está passando pela infância e adolescência. Todos que atravessam estas fases são heróis, e merecem ter as vidas representadas nas telas, com ou sem poderes.

Citações e Referências
Billy Batson:
Asher Angel – Jolene, 2008
Shazam: Zachary Levi – Thor, Ragnarok, 2017
Dr. Thaddeus SivanaMark Strong, Lanterna Verde, 2011
Mago Shazam
Djimou Hounsou, Guardiões da Galáxia, 2014