Vereadores querem prestação de contas dos recursos do CURA

Por Ponto de Vista - Marcos Essvein 06/11/2018 - 08:48 hs
Vereadores querem prestação de contas dos recursos do CURA
Vereadores Artur dos Santos e Valmir Nunes

Vereadores querem prestação de contas dos recursos do CURA
Os vereadores Artur dos Santos e Valmir Nunes, da bancada do PP, exigem do Executivo Municipal de São Jerônimo a prestação de contas dos recursos que o Município recebe de Charqueadas por conta do precatório da dívida do Projeto CURA.
Segundo proposição apresentada na sessão desta segunda-feira (5), o Município recebe o valor líquido de R$ 458 mil mensais e não se sabe onde os recursos estão sendo aplicados. E têm razão os vereadores, tal o estado de abandono da cidade relatado todas as segundas-feiras tanto por parlamentares de oposição quanto de situação. São reclamações que recebem diariamente da população.
A atual administração recebeu a Prefeitura com as contas em dia e com R$ 2 milhões em caixa. Se a prestação de contas não for apresentada, os vereadores deverão acionar o Ministério Público. Outras proposições já foram apresentadas no mesmo sentido e até agora não tiveram resposta.

Justificativa

Educação, Saúde e Obras no Interior. Estes têm sido os destinos dos recursos do Município, de acordo com a vereadora Elisa Mara Souza (PTB), a única que ainda defende 100% a administração na Câmara de Vereadores. Segundo ela, o Município investe 23% dos recursos em Saúde e 33% em Educação. Além disso, diversos investimentos têm sido feitos em infraestrutura no Interior.

Cestas básicas
Vereador Artur dos Santos também quer saber como foram distribuídas pelo Município as mais de mil cestas básicas recebidas do Ministério da Integração Nacional para os atingidos pela estiagem. A cobrança já foi feita mais de uma vez e a Prefeitura não presta contas. O vereador promete ir até a Polícia Federal se for preciso.

Leia mais aqui: São Jerônimo receberá mais de mil cestas de alimentos da Defesa Civil

Transporte
Esta semana, o Município de Charqueadas suspendeu o ônibus que fazia o transporte de pacientes para consultas e exames na Capital. Os usuários agora são levados em veículos de passeio. Trata-se de uma decisão administrativa e o Município deve boas razões para tê-la tomado, mas é lamentável que o Executivo Municipal não dê explicações a respeito, apesar de cobrado pelos vereadores.