É preciso mudar sempre

Escolho caminhar no túnel, em busca do desconhecido, o que é ótimo

Por André Liziardi 09/08/2018 - 14:09 hs

Creio que o título desta coluna é o que mais me define. Não que eu tenha um aspecto de camaleão. Apenas não sou de esquentar lugar.
Há alguns anos tenho mudado e trocado experiências. Vivendo e levando minha existência para lá, e para cá. Creio, também, que cada vez mais estejamos presos a compromissos aos quais não deveríamos estar. Nunca.

A geração que se diz livre, em muitos casos está presa. Geralmente ao trabalho. Por isso tento ir contra a maré. Caso não esteja contente, já vou pensando em mudar de ares.
Evidente que essa liberdade tem um preço. Como tudo na vida. Pago por acharem que não finco raiz em nada. Mas é exatamente ao contrário, tenho raízes bem definidas e firmes: no que escolho ser.

E escolhi respeitar o meu tempo. A minha relação com o mundo vai muito de como consigo lidar com o tempo. Não preciso ser contemplativo. Ao contrário, gosto do movimento e do dinamismo. Mas é a forma como isso acontece, e as mudanças que delas implicam, que me dão o rumo.
Um rumo que é só meu. Felizmente. Não por solidão, mas por escolha. Faço da vida um caminhar, por vezes torto, mas que me dá possibilidades de mudar sempre.

Escolhi a mudança para seguir em pé nesta louca experiência que é a vida. Escolho caminhar no túnel, em busca do desconhecido, o que é ótimo. Pois viver é um risco. E precisamos mudar sempre.