Transtorno de estresse pós-traumático

Transtorno de estresse pós-traumático

Classificado como um transtorno ansioso, O TEPT apresenta particularidades em seus sintomas que não se restringem a ansiedade

Por Clin - Clínica Infanto Juvenil 19/07/2018 - 14:27 hs

Roberta Caron Viero
Médica Psiquiatra - CREMERS 30806

Parece que estamos vivendo num ambiente cada vez mais hostil; hoje não precisamos sobreviver a grandes feras que nos querem como refeição, mas à violência e a outros eventos fortemente traumáticos de nossa sociedade. Essa exposição tem imprimido marcas emocionais importantes, capazes de alterar de modo permanente a nossa forma de sentir e enfrentar o mundo; o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) é a expressão extrema dessas marcas.
Classificado como um transtorno ansioso, apresenta particularidades em seus sintomas que não se restringem a ansiedade. Caracteriza-se por alterações das emoções e do comportamento que ocorrem após a vivência de um trauma significativo (de forte intensidade ou não esperado no ciclo vital); o evento traumático é revivido e sofrido repetidamente através de pensamentos invasivos e/ou sonho e tem-se a sensação de estar em um estado diferente de realidade (como que estivesse vivendo em um sonho) e isso pode provocar o distanciamento afetivo das pessoas e a perda do interesse pelas atividades habituais; além disso, algumas alterações como irritabilidade, dificuldade de concentração e para dormir, ansiedade, tristeza, raiva e vergonha estão associadas ao quadro.
A prevalência na população em geral varia entre os estudos de 1% a 9%, sendo mais comum no gênero feminino; essa diferença ainda não foi entendida. Os indivíduos que tiveram ou têm TEPT apresentam maior risco de desenvolverem outras doenças mentais e os estudos apontam para o transtorno obsessivo-compulsivo, a agorafobia, o pânico, a depressão, a dependência química e o transtorno de personalidade borderline. Além disso, a observação de populações expostas a grandes catástrofes apontou para o mapeamento de alguns fatores de risco para o desenvolvimento do TEPT: exposições prévias a eventos traumáticos, transtorno mental pré-existente, reação aguda, o estresse referente ao mesmo evento do TEPT, baixa inteligência e alterações neurológicas prévias.

Essa entidade patológica se tornou coloquial nos diálogos cotidianos, no entanto seu diagnóstico é criterioso; esse cuidado deve-se à gravidade dos sintomas desta patologia e à limitação que provoca, tanto na qualidade de vida, quanto na capacidade produtiva das atividades habituais.