JOÃO ADOLFO GUERREIRO | Dessa vez, foi

Terá quatro anos para mostrar na prática suas qualidades

JOÃO ADOLFO GUERREIRO | Dessa vez, foi
Ricardo Vargas

Ricardo Vargas (Republicanos), dessa vez, se elegeu prefeito de Charqueadas. Em 2016, pela REDE, bateu na trave e perdeu para Simon Heberle (PDT), por 199 votos. Agora, mesmo fazendo um percentual menor (42.3% em 2016 e 36.7% no domingo) e menor votação (8.295 em 2016 e 7.035 esse ano), levou a prefeitura, com uma vantagem maior de exatos e redondos 2.200 votos para o segundo colocado, o mesmo Simon, atual prefeito - que exerceu um governo que iniciou durante uma crise econômica nacional, com uma dívida municipal (projeto Cura) e uma pandemia. Entretanto, como diz Renato Gaúcho, o que importa e entra para a história é taça no armário e faixa no peito. E dessa vez foi Simon que perdeu, fazendo 3.659 votos a menos que em 2016, quando atingiu 8.494 (4.835 no domingo passado).

O percentual de votos de Vargas, 36,7% entre seis concorrentes – uma disputa mais dura que a de 2016, pois agora contra um prefeito (Simon), um ex-prefeito (Davi Gilmar) e uma campeã de votos (Drª Rosângela) -, só foi maior que o de Anápio Ferreira (PMDB) em 1982, que fez 20.4% contra nove adversários (1). Por ordem crescente, os demais prefeitos se elegeram em Charqueadas com: 37.1% - Jaime Guedes (PT) 1996; 43.3% - Simon Heberle (PDT) em 2016; 46.2% - Aldo Moreira (PDT) 1988; 47.6% - Davi Gilmar (PDT) 2008; 49.7% - Anápio Ferreira (PTB) 2000; 50.9% - José Manoel (PMDB) 1992; 52.6% - Jaime Guedes (PT) 2004; e o recordista, com estrondosos 68.4% - Davi Gilmar (PDT) 2012.

O Ricardo Vargas agora prefeito é o vereador mais votado da história da cidade (1.179 votos, 5.7% em 2012), logo, outro campeão de votos na seara municipal. Entrou como o favorito na disputa e possivelmente, ao que tudo indica, sempre a ponteou. Pelo menos foi o que as pesquisas mostraram, tanto uma criminosa (sem registro na Justiça Eleitoral) quanto uma registrada, que sempre indicaram sua liderança – embora a segunda tenha errado rude e feio sobre quem seria, no final, o segundo (Simon) e o quarto (Davi Gilmar) colocados, invertendo-os. Nesse sentido, na finaleira da campanha a política charqueadense pareceu voltar às suas velhas práticas, isto é, mais do mesmo de sempre, afinal, no final.

Até um vídeo do ex-prefeito Jaime Guedes, com fortes críticas e pesadas denúncias dirigidas ao prefeito Simon, sua administração e seus colaboradores mais próximos, apareceu na última semana nas redes sociais. As boas e as más línguas da cidade juram de pés juntos que o ex-prefeito o fez para ajudar a candidatura de Vargas, mas Guedes afirma que não, que não apoiava ninguém e que fez o vídeo unicamente em resposta por ter se sentido atingido pelo prefeito, que teria, segundo Guedes, ofendido durante a campanha falando cobras & lagartos e jacarés. Disso, de fato, só se saberá pelo andar da carruagem e no acomodar das melancias, observando-se a cor e a aparência de algumas delas em determinadas carroças, pois a verdade é como uma rolha segura no fundo de um tanque: uma hora o braço cansa, solta-a, ela vem à tona e todo mundo a enxerga. É uma lei da física da vida que vale também – e principalmente – para a política.

O que conta é que Ricardo Vargas é o prefeito eleito, é incontestavelmente bom de voto, popular e que o povo confiou nele. Tem a seu lado o ex-vereador André Sippel (PSDB), assim como ele, filho de um político de expressão local. Solerme Vargas, pai de Ricardo, foi eleito vereador 1988, enquanto Hélio Sippel, pai de André, conquistou os cargos eletivos de vereador (1988, 1996, 2000) e vice prefeito (1992, 2008). Vargas ainda elegeu o filho, Wagner Vargas, vereador, pela REDE, com 383 votos; Sippel viu a reeleição do irmão para o mesmo cargo, Rogério “Chinês” Sippel, pelo PSDB, com 329 votos.

Agora é esperar os quatro anos para Ricardo Vargas mostrar na prática a que veio, eis que é no exercício do poder onde as verdadeiras qualidades ou defeitos, capacidades ou incapacidades do político se mostram, diferentemente da campanha, onde todo mundo fala que é bom e que o outro é ruim, exaltando suas qualidades e expondo os defeitos alheios. A prefeitura ou é uma máquina de moer a carne das reputações políticas ou o energético que as fortalece, desespero para uns e ideal para outros, dependendo de como o governante se sai quando tem a sua oportunidade de sentar na cadeira de prefeito.

Penso que as grandes questões iniciais para seu governo serão como atuará na defesa da vida das pessoas (gestão da pandemia), da gestão democrática e da economia, eis que seu partido, o Republicanos, é o mesmo onde estão os filhos do presidente Bolsonaro que, estamos vendo, exerce uma governança bastante polêmica e controversa nessas áreas. Só o tempo revelará.
 
Dessa vez, foi.
 

Notas:
(1) - O candidato mais votado em 1982 foi Aldo “Baratão” Moreira (PDS), com 2.408 votos (30.7%), mas não foi eleito por naquela eleição existir voto proporcional para prefeito, sendo que a legenda do PMBD somou 3.457 votos (43%) com Anápio (1.631), Dr Mareu (1.394) e Profª Afonsina (432). Waldemar Gauss, o outro candidato do PDS, obteve 420 votos.
 
Fontes:
G1. Apuração: Charqueadas > Eleições 2012: http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/apuracao/charqueadas.html
G1. Eleições 2016: Charqueadas. 02.10.2016: http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/eleicoes/2016/apuracao/charqueadas.html
PIRES, Saldino. Histórias do povo de Charqueadas. Barra do Ribeiro: Naibert. 2012.
PORTAL de Notícias. Eleições 2020: Ricardo Vargas e Dé Sippel vencem em Charqueadas. 16.11.2020: https://www.portaldenoticias.com.br/noticia/13919/eleicoes-2020-ricardo-vargas-e-de-sippel-vencem-em-charqueadas.html?fbclid=IwAR2YEJ08IUXS5Dg8ZqDgi8wMN_LRJrTfn0P_3qFM13g_aqbu2q2J6q53-0E
RBS. Eleições 2008: Apuração prefeito resultados Charqueadas. 2008: http://clicrbs.com.br/eleicoes2008/apuracao/2turno/apuracao.html?topo=

TRE. Eleições 1982: Charqueadas. 15.11.1982: https://www.justicaeleitoral.jus.br/arquivos/tre-rs-municipais1982-charqueadas/rybena_pdf?file=https://www.justicaeleitoral.jus.br/arquivos/tre-rs-municipais1982-charqueadas/at_download/file
TRE. Eleições 1992: Charqueadas. 1992: https://www.tre-rs.jus.br/eleicoes/resultados-das-eleicoes/1992
TRE. Eleições 1996: Charqueadas. 1996: https://www.tre-rs.jus.br/eleicoes/resultados-das-eleicoes/1996
TRE. Eleições 2000: Charqueadas. 2000: https://www.tre-rs.jus.br/eleicoes/resultados-das-eleicoes/2000/1o-turno
TRE. Eleições 2004: Charqueadas. 2004: https://capa.tre-rs.jus.br/eleicoes/2004/1t/voto/RS86932.htm