JOÃO ADOLFO GUERREIRO | Chiquinho, o doutor vereador

Um feito único, histórico e impressionante

JOÃO ADOLFO GUERREIRO | Chiquinho, o doutor vereador
Jose Francisco Silva da Silva (PDT)

Em todas as eleições municipais o lugar comum é centrar as avaliações do pleito sobre o prefeito eleito e o vereador mais votado. Mas o vereador Jose Francisco Silva da Silva (PDT) foi, no meu entendimento, novamente, o grande fenômeno em mais uma eleição municipal em Charqueadas. Não perder eleição para vereador em 38 anos de vida pública não é para qualquer um, tanto que só ele conseguiu essa marca até hoje na política da cidade. Um feito único, histórico e impressionante.

O ex-prefeito Davi Gilmar (PDT-PL) foi primeiro e único prefeito a se reeleger na cidade, detentor da maior votação já obtida (69%) - foi o quarto colocado nas eleições para a prefeitura no domingo passado. Entretanto, os ex-prefeitos José Manoel (MDB-PMDB), Jaime Guedes (PT-PMDB) e Anápio Ferreira (PMDB–PTB) também administraram a cidade em duas ocasiões, embora intercaladas (o primeiro a governou quando ela era distrito de São Jerônimo, ao ser prefeito desta). Já Chiquinho construiu em 38 anos de vida pública algo que vai ser difícil outro político charqueadense alcançar: 34 anos invicto na disputa pelo Legislativo!!! Nesse tempo, foram 34 anos como vereador, pois só ficou fora da Câmara de Vereadores quando concorreu a vice-prefeito em 1992 e não foi eleito. Em 2024 completará 38 anos como edil!!!

Foi candidato pela primeira vez em 1982, pelo PDS, aos 23 anos, obtendo incríveis 433 votos em 8.717, ou seja, 5% dos votos válidos, elegendo-se como o mais votado, 80 votos a frente do segundo, Geraldo Theisen, também pelo PDS. Em 1988 foi reeleito pela primeira vez, pelo PFL, novamente o mais votado com 466 votos em 11.856 (4%), 138 a mais que o segundo colocado Nelci de Moraes (PDT). Nas eleições de 1992 concorreu como vice de Anápio Ferreira (PTB), mas José Manoel (PMDB) foi eleito prefeito.

No ano de 1996 voltou à Câmara de Vereadores pelo PTB com 611 votos (4%), ficando como segundo mais votado, 140 votos atrás de Jorge Afre (PT), que somou 5% dos votos válidos. Em 2000 nova reeleição pelo PTB, agora em 7º lugar com 404 votos. Naquele ano, o ex-prefeito Davi Gilmar foi o primeiro colocado à vereança, com 658 votos, também pelo PTB. Mantendo a regra, em 2004 Chiquinho fez 504 votos e ficou com a quinta votação. Nesta eleição, Rosangela Dornelles (PT) fez 1.019 votos (5.5%) e foi a campeã de votos da vez. Em 2008 foi o 6º colocado com 631 votos pelo PTB. O primeiro foi Dé Sippel (DEM), com 929 votos - o vice-prefeito eleito no último domingo. Em 2012 foi reeleito com 458 votos pelo PTB, ficando em 10º. Ricardo Vargas (PMDB) fez 1.179 votos (5.7%), ocupando a primeira vaga com a maior votação já alcançada por um vereador em Charqueadas - prefeito eleito ontem, pelo Republicanos. Em 2016, pelo PDT, seu atual partido, somou 552 votos, a sexta votação daquele pleito, onde Rosângela Dornelles (PT) foi a primeira, com 848 votos - candidata terceira colocada para a prefeitura no domingo.

Finalmente, ontem, foi reeleito pela nona vez em dez eleições que Charqueadas já teve em sua história, desde a emancipação. Chiquinho conquistou 545 votos, a quarta maior votação, atrás apenas de João Caldeira (PDT) 834, Paula Ynajá (PT) 719 e Jozi "Esporinha" Marins (REP) 594. Em 2012, fiz um texto aqui para o Portal de Notícias intitulado "Chiquinho, o mestre vereador". Oito anos depois, podemos afirmar, com justiça, que José Francisco já é doutorado em eleições legislativas municipais.

Chiquinho poderia perfeitamente ministrar um curso para pessoas que queiram ser eleitas para a Câmara de Vereadores. Afinal, sua fórmula foi testada e aprovada em quase quatro décadas de política. Um fenômeno esse pelotense de nascimento. Aos 61 anos é um grande exemplo de longevidade política que se confunde com a história política de Charqueadas. O nosso doutor vereador que em 2024, ao que tudo indica, conseguirá seu décimo mandado, caminhará para seus 42 anos de vereança e obterá seu PHD na área. Alguém aí duvida? Eu não.