JOÃO ADOLFO GUERREIRO | 100 anos da Lusa

Fim nenhum, gajo. Está viva e centenária, ora pois

JOÃO ADOLFO GUERREIRO | 100 anos da Lusa
100 anos da Lusa

- Tu sabes que fim levou a Portuguesa de Desportos?
- Fim nenhum, gajo. Está viva e centenária, ora pois.

A Associação Portuguesa de Desportos, a "Lusa", grande clube do futebol paulista e brasileiro comemorou seus 100 anos de atividade dia 14 de agosto passado. Time da colônia portuguesa, é oriundo da junção de cinco equipes de origem lusitana, que resolveram somar forças para montar uma agremiação competitiva. E deu certo...

Entre suas conquistas ao longo de dez décadas de bola rolando, podemos citar algumas como: dois campeonatos paulistas série B (2007 e 2013), dois torneios Rio-São Paulo (1952-1955), três paulistas (1935, 1936 e 1973), um vice-Campeonato Brasileiro Série A (1996) e um Campeonato Brasileiro Série B (2011). Acharam pouco? Bem capaz! Cabe dizer que vários clubes gaúchos, por exemplo, já disputaram a Série B, como Brasil de Pelotas, Juventude, Inter e Grêmio, mas só o Tricolor, assim como a Lusa, conseguiu ser campeão. Sem falar nos três títulos paulistas e no vice-campeonato de 1996, feitos que nenhum clube do interior do nosso estado possui.

Formou craques que atuaram pela Seleção Brasileira como o lateral direito Djalma Santos - bicampeão mundial em 1958 (Suécia) e 1962 (Chile) -, o goleiro Félix - tricampeão na Copa do México de 1970 -, e o meio-campo Zé Roberto - bicampeão da Copa das Confederações (1987 e 2005) e da Copa América (1997 e 1999). Vestiram sua camisa jogadores do porte de Roberto Dinamite, Rivelino, Bolívar (o pai e o filho, ex-Inter), Ricardo Oliveira, Alex Alves, Gallo, Clemer (goleiro do Inter), Dida (goleiro da seleção), Dener (grande craque), Jonas, Capitão, Caio e Rodrigo Fabri, sendo que os últimos seis igualmente fardaram o uniforme gremista, assim como Zé Roberto.

Um dos grandes times formados pela Lusa foi o vice-campeão Brasileiro de 1996, na final contra o Grêmio. No primeiro jogo, em São Paulo, 2x0 Portuguesa, gols de Gallo (cobrança de falta magistral) e Fabri. Na partida de volta, no Olímpico, 2x0 Grêmio (Paulo Nunes e Aílton), que foi campeão por jogar por dois resultados iguais - o tricolor foi o 7º e a Lusa a 8ª na fase classificatória. Eu estava naquele jogo, nunca esqueço. Dois baita times! Felipão treinando de um lado, Candinho de outro. Clemer, Zé Roberto, Gallo, Capitão, Caio, Alex Alves e Fabri gastando a bola pelo lado portuga.

Neste domingo fará nove anos que a "Barcelusa" foi campeã da Série B do Brasileirão, com três rodadas de antecedência, seu último grande feito. No ano seguinte, surpreedentemente, cairia para a segunda divisão do Paulista - voltaria a elite no ano seguinte -, mesmo permanecendo na primeira do Brasileiro. Em 2013, a desgraça: mesmo garantindo por pontos na Série A, foi punida pela Justiça Desportiva em 4 pontos pela escalação irregular de um jogador na última rodada, contra o Grêmio, quando empatou. Até hoje existe a suspeita - nunca provada - de que o erro de funcionários e atletas do clube teria sido proposital e que a punição severa se deu em benefício do Fluminense, que teria articulado tudo, escapando, assim, de cair para a Série B. O fato é que o rebaixamento causou um grande baque para a Portuguesa que, ao final de sete anos, vivendo seu pior momento financeiro e futebolístico, caiu da série D do Brasileiro, ficando sem divisão no nacional, e está jogando na segundona paulista.

Em 2020, ano de seu centenário - e do cinquentenário de reinauguração do Estádio Canindé e da fundação da torcida organizada Leões da Fabulosa -, a Lusa, presidida por Antônio Carlos Castanheira e tendo como gerente de futebol Flávio Alves, espera comemorar um título e entrar na Série D sendo campeã da Copa Paulista, que iniciou promissora na última quinta-feira, com um excelente resultado fora de casa obtido pelo time treinado por Fernando Marchiori: Guarani 0x5 Portuguesa, em Campinas. A Copa Paulista vai até 23 de dezembro e a próxima partida da Lusa será dia 11, quarta-feira, contra o Nacional no Canindé.

Vai que, né? Não tá morto quem luta, quem peleia! Dá-lhe Lusa! Parabéns pelos seus 100 anos.