JOÃO ADOLFO GUERREIRO | Caminhos da Literatura

Literatura é vida presente

Estou falando muito sobre livros e literatura nos últimos dias, não é mesmo? Pois é, estamos numa época propícia para ler livros, além de alguns outros motivos recentes: o Dia Nacional do Livro, os 15 anos do Sarau Literário de Charqueadas e a 66ª Feira do Livro de Porto Alegre, que acontece até o dia 15 de forma virtual, como escrevi na crônica de ontem. Pois nessa semana chegaram esses daí de cima pra mim.

Dia 29 de junho marcou os 120 anos de nascimento de Antoine Saint-Exupéry (1900 - 2020), escritor francês autor do supermegaultrahyper best seller O Pequeno Príncipe - escrevi sobre isso aqui no Portal De Notícias (1) -, dentre outros livros de sucesso (2), como esses três aí da foto, todos fruto de sua experiência como piloto comercial e militar. A Lua de Papel os entregou pra mim semana passada, via online e tele-entrega. Estão lá, na quarentena, aguardando para serem lidos por meus olhos castanhos. Ah, quase esqueço. São eles: Correio Sul (1929), Voo Noturno (1931) e Piloto de Guerra (1932).

Imagino o nosso amigo Antoine Jean-Baptiste Marie Roger Foscolombe de Saint-Exupéry, precursor da aviação mundial das primeiras décadas do século XX, pilotando pelos céus do mundo - incluindo o de Porto Alegre e, provavelmente, da nossa região -, guiando-se pelos astros e pensando nesses livros aí. Foi assim que eles foram escritos: pensados do alto, redigidos no solo. Quantas vezes ele deve ter contemplado a lua durante os voos noturnos?

Ah, os caminhos da literatura, seja pelo ar, pela terra ou pelo mar, inspirando a imaginação criativa? Pois esses livros, paridos em parceria lunar no passado, entraram para a atemporalidade literária, foram parar na Lua de Papel e dela pra minha casa, no tempo presente. Literatura é vida presente. Uma biblioteca é um portal do tempo. 
__________
Notas:
(1) - "Zé Perri bebia refri por aqui" - https://souzaguerreiro.com/visualizar.php?idt=6990954
(2) - Além dos livros citados na crônica, mencionaria também O Aviador (1926) e Terra dos Homens (1929).