EUA vão restabelecer tarifa sobre aço e alumínio comprados do Brasil

A medida é uma reação norte-americana por causa da desvalorização do Real. Bolsonaro tratará do assunto com Paulo Guedes

Por Portal de Notícias 02/12/2019 - 15:49 hs
Foto: Banco de Imagens
EUA vão restabelecer tarifa sobre aço e alumínio comprados do Brasil
Estados Unidos vai aumentar as tarifas para importação de aço e alumínio brasileiros

O presidente Jair Bolsonaro declarou não ver como retaliação ao Brasil a decisão do governo dos Estados Unidos de aumentar as tarifas para importação de aço e alumínio brasileiros. Segundo o presidente dos EUA, Donald Trump, Brasil e Argentina estariam forçando uma desvalorização de suas moedas, o que tem prejudicado os agricultores daquele país. "Não vejo isso como retaliação”, afirmou Bolsonaro em entrevista à Rádio Itatiaia na manhã desta segunda-feira (2/12). Na avaliação do presidente, a correlação não procede porque a desvalorização das moedas locais são em consequência de fatores externos. “O mundo está conectado. A própria briga comercial entre Estados Unidos e China influenciam o dólar aqui, assim como coisas que acontecem no Chile, nas eleições na Argentina e no Uruguai. Tudo está conectado”, argumentou o presidente.

Bolsonaro disse que o assunto será conversado com o ministro da Economia, Paulo Guedes, ainda hoje. “Se for o caso, vou ligar para o Trump. A economia deles é dezenas de vezes maior do que a nossa”, disse. A retomada das tarifas foi anunciada pelo presidente dos Estados Unidos (EUA) em sua conta no Twitter. Segundo ele, “Brasil e Argentina têm presidido uma desvalorização maciça de suas moedas, o que não é bom para os agricultores norte-americanos. Portanto, com efeito imediato, restaurarei as tarifas de todos os aços e alumínio enviados para os EUA a partir desses países”, disse Trump na rede social. “As reservas também devem agir para que os países, dos quais existem muitos, não aproveitem mais nosso dólar forte, desvalorizando ainda mais suas moedas. Isso torna muito difícil para nossos fabricantes e agricultores exportar seus produtos de maneira justa”, acrescentou o presidente norte-americano.
Na última sexta-feira (29) a moeda norte-americana voltou a subir atingindo, em valores nominais (desconsiderando a inflação) o segundo maior nível desde a criação do real. O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 4,241, com alta de R$ 0,025 (+0,5%). No começo da tarde desta segunda o dólar comercial apresenta recuo de 0,5%, sendo vendido a R$ 4,2163.

As informações são do Portal Amanhã