Acordo com União Europeia pode quadruplicar exportação de arroz

Ministério da Economia trabalha para reduzir custos da energia elétrica e atualizar arcabouço regulatório navegação de cabotagem

Por Portal de Notícias 06/06/2019 - 08:29 hs
Foto: Apolos Neto / Divilgação
Acordo com União Europeia pode quadruplicar exportação de arroz
Tema foi discutido com o Ministério da Economia

O presidente Jair Bolsonaro embarca para a Argentina, onde nesta quinta-feira (6) se reunirá com o presidente Mauricio Macri. Na agenda do encontro, o acordo entre Mercosul e União Europeia. A expectativa é que de que essas conversações permitam a redução das assimetrias comerciais que prejudicam a competitividade de produtos como trigo, vinho e arroz.

Nesta quarta-feira (5), o assunto foi discutido em reunião com a secretária especial adjunta da Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Yana Dumaresq. Participaram do encontro o deputado federal Jerônimo Goergen (Progressistas-RS) e o presidente da Federraroz, Alexandre Velho.
Com sérios problemas de preço, renda e competitividade em relação aos vizinhos do Mercosul, os produtores de arroz acreditam que a expansão dos mercados compradores pode reduzir as perdas do setor.
- A expectativa é que esse acordo Mercosul-União Europeia possa quadruplicar o volume de arroz exportado, passando das atuais 150 mil toneladas para 600 mil toneladas. Isso é fundamental para tirar o excedente do Rio Grande do Sul -  destacou Jerônimo Goergen.
Por outro lado, o parlamentar cobrou uma solução para a demora no licenciamento de defensivos agrícolas e o alto custo desses produtos na comparação com Paraguai, Argentina e Uruguai.
- Até que isso seja esclarecido, vamos defender a aprovação do PL 3487/2012, de minha autoria, que obriga a análise química de grãos importados - ponderou.
Segundo Yana Dumaresq, o Ministério da Economia também trabalha em outras frentes no sentido de oferecer melhores condições de competividade para os setores econômicos.
- Há um esforço do governo em reduzir os custos da energia elétrica. Isso é fundamental para a lavoura orizícola, que usa muito maquinário no processo produtivo - destacou Jerônimo Goergen.
Outra iniciativa que pode repercutir diretamente nos custos de produção é a atualização do arcabouço regulatório da navegação de cabotagem, que deve proporcionar a ampliação da infraestrutura para atender a demanda por transporte marítimo.
- Um maior número de terminais e de empresas operando esse serviço levaria à redução dos custos de transporte - destacou o presidente da Federraroz, Alexandre Velho.
Um último item em estudo é a redução dos custos de importação de máquinas e equipamentos.