IGP confirma afogamento como causa da morte do menino Murilo Theisen

Ele foi enterrado na tarde desta segunda-feira em Charqueadas

Por Portal de Notícias 09/01/2018 - 08:24 hs
Foto: Reprodução / Facebook
IGP confirma afogamento como causa da morte do menino Murilo Theisen
Murilo Theisen Machado

O menino Murilo Theisen Machado, 7 anos, morto na manhã de domingo, 7, na praia e Cordas, em Governador Celso Ramos, na Grande Florianópolis, foi enterrado na tarde de segunda-feira, 8, em Charqueadas. O IGP (Instituto Geral de Perícias) confirmou o que o médico legista já havia divulgado no domingo. Murilo morreu por afogamento e seu corpo não apresentava nenhum sinal de que pudesse ter sido atingido pelo rojão disparado por Jean Fabrício Hang, de 29 anos, que admitiu ser o responsável pelo artefato. Ele chegou a ser detido pela Polícia Militar, mas foi liberado ainda no domingo.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Polícia de Governador Celso Ramos. Agentes de serviço na tarde de segunda-feira, na delegacia, disseram que não podiam fazer nenhum comentário sobre o caso e que o delegado não estava.

Em Charqueadas, parentes e amigos da família foram até o cemitério Júlio Rosa prestar homenagens ao menino e tentar confortar pai e mãe, que ficaram desolados com a tragédia. “Hoje nos despediremos do nosso anjo aqui na terra, acreditando que ele já está num lugar melhor, pois só assim nos mantemos em pé”, disse a tia do garoto, Janine Theisen, em convite para o velório feito pelas redes sociais.

Segundo a mãe de Murilo, Milene Theisen, 39 anos, o menino estava no mar com o pai quando o estouro do rojão foi ouvido. “Foi um pesadelo. Eu ver o meu pequeno, daquele jeito e não conseguir fazer nada para trazê-lo de volta”, descreveu. Murilo chegou a ser resgatado, mas não sobreviveu.

A família de Murilo é natural de Charqueadas e há seis meses havia se mudado para Santa Catarina. Murilo era neto do ex-diretor da Aços Finos Piratini e ex-vereador de Charqueadas, Geraldo Theisen.