Livro “O Carvão e Seus Heróis” será lançado na Feira do Livro de Porto Alegre

A obra também será lançada no tradicional Encontro da Saudade Mineira, que acontece no terceiro domingo de novembro, na Sociedade Última Hora, em Arroio dos Ratos

Por Portal de Notícias 23/10/2017 - 08:47 hs
Foto: Reprodução
  Livro “O Carvão e Seus Heróis” será lançado na Feira do Livro de Porto Alegre
Obra será lançada no dia 15 de novembrro

Normélio de ÁvilaO mineiro aposentado Normélio de Ávila lança, às 16h30min do próximo dia 15 de novembro, no pavilhão de autógrafos da 63ª Feira do Livro em Porto Alegre, o livro “O Carvão e Seus Heróis”. Atualmente residindo em Porto Alegre, Ávila morava em Arroio dos Ratos e trabalhou nas minas, chegando a ser encarregado de turno do recebimento de carvão.

Os costumes dos operários que trabalhavam na extração de carvão em Minas do Leão e Arroio dos Ratos estão entre os assuntos registrados na obra, publicada pela Farol 3 Editores.

- O livro conta várias histórias da mina e fala sobre a evolução do sistema de mineração. Conta uma história inédita sobre os costumes dos mineiros no tempo da exploração do carvão, de quem e como era extraído. Histórias que nunca foram escritas, nem contadas, com a originalidade de um autor que também foi mineiro e que viveu o dia a dia das famílias daquele povoado – diz o autor.

O livro será lançado em um dos principais eventos literários do Brasil, que leva milhares de pessoas até Porto Alegre. A obra também será lançada no tradicional Encontro da Saudade Mineira, que acontece no terceiro domingo de novembro, na Sociedade Última Hora, em Arroio dos Ratos. Ávila revela que o livro não estará disponível em bancas, apenas direto com o autor.

 Trecho do livro

"Muitas vezes, passei pela República da Cinza, no caminho da escola, e via a tia Amélia e o tio Gabriel cozinhando feijão em latas de fogo de carvão em pedra, na rua, no relento. Aqui, me chamaram a atenção as histórias que contavam com indignação dos costumes de tratamentos sobre os residentes desses conjuntos residenciais de operários solteiros, principalmente na República Vermelha. Contavam que, nos horários de início de turno de manhã e de noite, como prevenção contra as ausências no trabalho, a Companhia das Minas de Arroio dos Ratos mandava despertá-los batendo nas portas daqueles operários recém-recrutados e alertavam a irem ao trabalho naqueles turnos. Assim como os operários eram recrutados, eram deportados (expulsos), pois a localidade era de absoluta propriedade da Companhia".