Cães de rua são problema em Charqueadas e São Jerônimo

Medidas de controle de natalidade e conscientização da população são necessárias

Por Portal de Notícias 15/09/2017 - 13:28 hs
Foto: Cauê Florisbal
 Cães de rua são problema em Charqueadas e São Jerônimo
Controle de natalidade ineficaz faz crescer população de animais de rua

Cauê Florisbal

Não é de hoje que quando alguém passa pelas ruas de Charqueadas e São Jerônimo se depara com os cães de rua, tanto no Centro quanto nos bairros. A procura por alimento e até mesmo um local para ficar em noites de frio fazem com que eles fiquem migrando por diferentes pontos das cidades. São os próprios habitantes que geram o problema ao abandonar os animais e, por isso, é necessário um trabalho de conscientização. O fato se alia a um ineficaz controle de natalidade e a quantidade de cães cresce exponencialmente. Hoje não se sabe quantos animais vivem nas ruas.

Além do perigo das zoonoses, em alguns pontos das cidades os cães abandonados também geram risco de acidentes ao investirem contra automóveis ou pessoas nas calçadas. Este é o caso de alguns animais que costumam ficar próximo ao Supermercado Bonato, na Avenida 1º de Maio, em Charqueadas, que chegam a ameaçar as pessoas que transitam pelo local.

Nos dois municípios, sem convênios com o Poder Público, voluntários vêm atuando para amenizar o problema com castrações, atendimento veterinário, abrigo e alimentos para os animais.

Controle populacional

Em Charqueadas, para diminuir o número de animais de ruas, a ONG Amicão executa cirurgias de castração. Em um ano foram realizados 1.260 procedimentos e, destes, cerca de 390 foram em animais de rua.

- Nós não trabalhamos recolhendo animais, até porque não há estrutura para abrigá-los, mas no momento em que é feita a castração, não irão nascer outros animais de rua. Quanto mais castrações, menos animais abandonados nas ruas – explica Adriana Farias, integrante da Amicão.

Além da castração, cirurgias em animais machucados e até mesmo com câncer são realizadas pelos veterinários da Amicão. Por mês, entre 50 e 70 animai são atendidos gratuitamente. Além disso, existem aquelas pessoas que levam seus animais para atendimento e pagam um preço bem abaixo do que é cobrado no mercado.

Para ajudar a alimentar os animais de rua, a Amicão conta com o apoio dos “guardiões”, pessoas da comunidade que ficam responsáveis por dar alimentos em cada bairro. A ração é obtida por meio de doações. Alem da ONG , alguma pessoas ajudam os animais de forma individual, colocando caixas para os animais dormir e dando alimentos para eles.

Lar improvisado

Sem saber a quantidade exata de animais abandonados em São Jerônimo, a Associação Municipal de Proteção e Bem-Estar Animal (Aprobem) também realiza castrações. Em média, são realizadas dez castrações por mês, que geram um custo de aproximadamente R$ 2 mil.

- Infelizmente, não temos uma estimativa de quantos animais de ruas existem em São Jerônimo. Nós fazemos um trabalho aleatório, tratando e castrando os animais. Além disso, muitos aparecem debilitados e abandonados – relata Leidy Chananeco, integrante da Aprobem.

Quem passa pelas calçadas do Centro São Jerônimo e de Charqueadas vê algumas casinhas, a maioria de papelão, onde cachorros de rua se alojam. Além de abrigo, o local também é um ponto onde eles receberem alimentos.

 

- Nós estamos sempre fazendo uma campanha de incentivo ao cão comunitário. As pessoas cuidam dos animais na rua, colocam água e comida na casinha, e nós damos o suporte necessário como vacinas, remédios para vermes, castração e a casinha – explica Leidy.