IFSul Charqueadas inaugura usina fotovoltaica

Com investimento de R$ 467,4 mil, campus se torna autossuficiente

Por Portal de Notícias 23/06/2017 - 16:14 hs
Foto: Cauê Florisbal
IFSul Charqueadas inaugura usina fotovoltaica
Luciana Loponte e responsáveis pelo projeto inauguram a usina

Na tarde de quarta-feira, 21, o IFSul Campus Charqueadas inaugurou uma usina fotovoltaica com capacidade para gerar até 100 mil kilowatts (kW)/ano, deixando o complexo praticamente autossuficiente.

A usina, que já está em funcionamento, gera energia por meio de 264 placas fotovoltaicas instaladas na cobertura da quadra poliesportiva. O projeto teve um investimento de R$ 467,4 mil, com 25% de contrapartida do campus, e vai gerar uma economia de aproximadamente R$ 10 mil mensais

- O IFSul Campus Charqueadas é o primeiro a instalar essa usina, que na sequência será instalada no também no Campus Bagé. Em 2016, firmamos o compromisso e hoje, após dois dias de funcionamento, estamos inaugurando a usina. Com isso, deixamos de utilizar energia da CEEE e passamos a utilizar nossa própria energia – disse a diretora, Luciana Loponte.

A vice-reitora do IFSul, Janete Otte, destacou a importância do novo sistema de geração de energia para a sustentabilidade.

- Existem muitos incentivos para que sejam procuradas energias alternativas e esta é uma delas. Estou feliz pelo fato do IFSul estar participando desse momento de preocupação com meio ambiente – disse a vice-reitora

A implantação de um sistema sustentável e, ainda, a obtenção de economia financeira é comemorada pelo Campus Charqueadas.

Segundo o engenheiro civil Daniel Wolter Martell, esse projeto começou a sair do papel há sete meses, após a realização de uma licitação nacional na qual 63 campi foram contemplados em todo o Brasil. No Rio Grande do Sul, apenas os campi de Charqueadas e Bagé receberão o investimento. Para ele, está usina irá gerar economia aos cofres públicos e beneficiar o meio ambiente.

 

- Nós estimamos uma economia mensal entre R$ 8 mil e R$ 10 mil. Este projeto tem uma vida útil de trinta anos e acreditamos que em pouco mais de quatro anos nós vamos zerar o investimento e, no quinto ano, já vamos economizar. Além dos benefícios aos meio ambiente e a sustentabilidade – explica Martell.