Eleição da primeira presidente do MTG vira polêmica e vai para a Justiça

Elenir Winck foi declarada vencedora, mas a solução para o empate entre as candidatas é contestada por Gilda Galeazzi

Por Portal de Notícias 13/01/2020 - 18:46 hs
Foto: Divulgação
Eleição da primeira presidente do MTG vira polêmica e vai para a Justiça
Elenir (de amarelo) foi declarada vencedora, mas decisão foi para a Justiça

O 68º Congresso Tradicionalista Gaúcho, realizado em Lajeado nos dias 10, 11 e 12, foi palco de uma eleição histórica para os tradicionalistas: a primeira eleição de uma mulher para a presidência do Movimento.
Concorreram ao pleito Elenir Winck, com a chapa “De coração pela tradição”, e Gilda Galeazzi, representando a “Fazer agora”. Ao fim da eleição, foram contabilizados 1.065 votos, a maior eleição da história do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), segundo o presidente da comissão, José Araújo.
Votos nulos foram 3, brancos, 2; e dos votos válidos Elenir e Gilda fizeram 530 votos cada. O critério de desempate utilizado foi a presença do conselheiro mais velho na chapa, segundo a interpretação do artigo 127 da Coletânea Tradicionalista pela comissão eleitoral, que deu a vitória a Elenir Winck. Elenir tem menos idade que Gilda, mas a comissão entendeu que a presença e um conselheiro mais idoso na chapa de Elenir lhe daria a vitória.

LIMINAR SUSPENDE POSSE

Prevista para as 11 horas de domingo (12/01), a posse de Elenir Winck como presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho não ocorreu. Segundo a página oficial da campanha da candidata Gilda Galeazzi, a Justiça da cidade expediu liminar cancelando a cerimônia.
No centro da disputa está uma questão regulamentar. Segundo o regulamento do MTG, em caso de empate é eleito o candidato mais idoso. Gilda argumenta que sendo mais idosa que Elenir, seria a nova presidente do MTG. A comissão das eleições entendeu que os eleitores votam no Conselho Diretor, que por sua vez escolhe seu presidente e considerando que na chapa de Elenir teria o candidato mais idoso, esta seria a chapa eleita.
Nesta segunda-feira (13/01), o MTG emitiu uma nota oficial informando os critérios para a escolha e dizendo que a medida judicial está sendo cumprida e explica, entre outros pontos, que o processo eleitoral do MTG é parlamentarista e que o presidente é escolhido pelo Conselho eleito em Assembleia. Diz, ainda, que “não se acredita que, feita uma análise completa da legislação, a justiça entenderá diferente do que a posição da Comissão Eleitoral”. Leia a nota no final da matéria.

JERONIMENSE NA CHAPA DE ELENIR


A jeronimense Renata de Cássia Moraes Pletz integra a chapa de Elenir Winck como vice-presidente de Cultura. Renata nasceu em 1980 e cresceu em meio aos festivais nativistas. Graduada em Letras e Literaturas de Língua Portuguesa, pós-graduada em Literatura, especialista em Educação e Contemporaneidade, foi diretora cultural da 2ª Região Tradicionalista por três vezes. Reanta também é membro da Comissão Gaúcha de Folclore – CGF, Conselheira do MTG e colaboradora da Estância da Poesia Crioula (EPC), foi homenageada pela cidade de São Jerônimo com o título de Patronesse da Semana Farroupilha do município, em 2019.


INTER-REGIONAL EM SÃO JERÔNIMO

Durante o Congresso, também foram empossados dos coordenadores da 30 Regiões Tradicionalistas (RT). Pela 2ªRT, que abrange a região Carbonífera, Ivan Fernando Botelho assumiu o 9º mandato à frente da coordenadoria. No mesmo dia, Botelho confirmou a realização da primeira inter-regional do Enart em São Jerônimo, que vai acontecer no último final de semana do mês de agosto.

NOTA DO MTG